Cultura

Zezé Motta em cenas de ‘O Outro Lado do Paraíso’, na Globo

Zezé Motta - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha Zezé Motta e Erika Januza - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha Zezé Motta e Erika Januza - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Divulgação Zezé Motta - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha Zezé Motta  e Erika Januza- O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha Zezé Motta - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha Zezé Motta e Erika Januza - O Outro Lado do Paraíso - Foto: Raquel Cunha

04.12.2017


Zezé Motta na casa de Xica da Silva, em Diamantina:

Zezé Motta na casa de Xica da Silva, em Diamantina | Foto: Pedro Mirana

Zezé Motta na casa de Xica da Silva, em Diamantina | Foto: Pedro Mirana

40 anos depois ter vivido o papel de Xica da Silva, do diretor Cacá Diegues, gravado em Diamantina (MG), Zezé Motta, atualmente no ar em “O Outro Lado do Paraíso” de Walcyr Carrasco, na Globo, retornou a casa que viveu a escrava mais famosa da história do Brasil, na Praça Jouberte Guerra, 266, Centro História de Diamantina. Muito emocionada, Zezé fez questão de registrar este momento, pois foi lá que gravou as principais cenas do filme que projetou o cinema brasileiro em mais de 16 países, no de 1976, e que a tornou símbolo sexual até meados dos anos 80, além de consolidar sua carreira internacional, que lhe rendeu o Troféu Oscarito – destinado a grandes atores do cinema brasileiro -, por sua majestosa atuação no longa. Zezé foi ovacionada pelas ruas de Diamantina, pois lá, não só Xica da Silva, mas a atriz também é exaltada.

O personagem também lhe rendeu inúmeros prêmios e homenagens, entre elas, uma foto exposta no Moma, em Nova York, e entrar para a memória do Museu do Festival de Cinema de Gramado (RS), através de uma estátua de cera. A estátua de Zezé foi feita nos mesmos moldes das Estátuas produzidas para o DREAMLAND – primeiro museu de cera da América Latina.

Zezé diz:

“Passei Natal, réveillon e carnaval em Diamantina. Junto com a Elke, Stephan, e grande parte do elenco, morei por meses na cidade. A equipe tinha alguns dias de folga e o Cacá liberava para que todos passassem esses dias em casa, menos eu. Ele achava que eu iria me dispersar, perder o tom. Então, fiquei todo o tempo sem me afastar das locações, concentrada só no personagem. Ele percebeu que eu tinha dificuldade de lidar com a minha agressividade. E para Xica eu precisava liberar essa carga emotiva que a gente, em geral, põe pra dentro, engole. Então, em alguns momentos, o Cacá usou de pequenas torturas. Na cena da igreja, por exemplo, a que eu fiz no teste e que é exemplar na luta da Xica contra o preconceito que impede alguém de entrar num templo que deveria ser de todos.  Estava muito quente, era uma externa; eu fazia, fazia, repetia e não dava a raiva que o Cacá queria. Aí eu pedia um copo d´água, ele falava: Daqui a pouco; pedia café e ele: Já vem. Depois eu soube que foi uma atitude calculada para me irritar. Funcionou! Ele estava sempre de olho. Uma noite, passou e me viu jogando carta com alguém da equipe. Disse: É, a cena de manhã não é fácil, não! Na mesma hora, parei o jogo, corri para o quarto e fui estudar a cena. Era assim que a coisa funcionava.  Na cena em que a Xica se despede do João Fernandes, ele disse: Zezé, eu não faço questão de lágrimas. Ganhei todos os prêmios: Air France, Festival de Brasília, festivais internacionais. Viajei muito por causa do filme. Fiz, inclusive, shows nos Estados Unidos, onde eles punham no cartaz: Show com Zezé Motta, atriz do filme Xica da Silva. Quando o filme estourou, eu estava fazendo uma comédia com a Eva Todor, Rendez-Vous, no Teatro Maison de France. Era um papel minúsculo. De empregada, claro. Tirava o pó dos móveis e provocava o patrão, naquela tradição de mucama que dá mole pro senhor. Entrava muda, saía calada. Antes do filme, as pessoas iam ao teatro para ver a Eva. Depois, passaram a ir para me ver também. A Eva, então, aumentou meu nome no cartaz. Adorei trabalhar com ela. Aprendi muito. Aí as pessoas me perguntavam: E agora, Zezé? E eu respondia: Agora eu quero cantar!” diz Zezé Motta.

 

24.11.2017


Luiz Melodia ganha tributo no Circo Voador

Zezé Motta

Um dos grandes da MPB, Luiz Melodia, morto em agosto, é homenageado no espetáculo Estação Melodia. Um time de respeito revisita clássicos do Negro Gato. Zezé Motta canta Juventude Transviada. Mart’nália vai de Estácio Holly Estácio e a banda Picassos Falsos lembra Magrelinha. Negra Melodia, de Jards Macalé e Waly Salomão, é recriada por Omar Salomão e Qinho. Frejat, Alceu Valença, Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Elisa Lucinda, Duda Brack e Jonas Sá, entre outros, entram na festa, ao lado do guitarrista Renato Piau, fiel escudeiro de Melodia. Circo Voador. Arcos da Lapa, s/nº, Lapa. Quarta (8), a partir das 21h. R$ 80,00 (1º lote).

08.11.2017


Zezé Motta se apresenta no 9º Festival de Arte Negra em Belo Horizonte

Zezé Motta

Grandes nomes da música se encontram neste sábado, no Festival de Arte Negra, como Zezé Motta e Éllen Oléria, que estarão no Palco Baobá, respectivamente às 21h30 e 23h. Zezé Motta traz o show “Atendendo a Pedidos”, onde interpreta outros grandes nomes da MPB. Considerada uma das grandes revelações da música atual, Éllen Oléria apresenta o show “Afrofuturista”, fruto do seu mais recente trabalho. A festa segue logo depois com o Samba de Terreiro.


Homenagens
A noite tem início às 19h com um show em homenagam à benzedeira e matriarca negra do bairro Glória, Dona Fininha. O show será realizado por seus filhos, entre os quais está o músico Sérgio Pererê, e netos. O show inclui canções que fizeram parte da sua vida, transitando entre o congado, o samba o bolero e o rap.
Confira a programação da noite sábado no Parque Municipal – 21 de outubro:
19h – Bença Mãe (Homenagem à matriarca e benzedeira Dona Fininha) com Sergio Pererê e convidados
21h30 – Zezé Motta – Atendendo a Pedidos
23h – Éllen Oléria – Afroturista
01h – Samba de Terreiro

21.10.2017


Zezé Motta e elenco de “A Comédia Divina” lança longa no Rio

Zezé Motta

Zezé Motta

Zezé Motta e Murilo Rosa

Zezé Motta e Murilo Rosa

Toni Venturi e Mônica Iozzi

Toni Venturi e Mônica Iozzi

Zezé Motta e Murilo Rosa

Zezé Motta e Murilo Rosa

Zezé Motta com o elenco de A Comédia Divina

Zezé Motta com o elenco de A Comédia Divina

O beijo de Murilo Rosa e Zezé Motta

O beijo de Murilo Rosa e Zezé Motta

A equipe do filme A Comédia Divina participou da pré estreia de lançamento do filme na noite de quarta feira, dia 11 de outubro no cinema Estação Net Botafogo em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro durante o sexto dia de Festival do Rio. O diretor Toni Venturi e as estrelas do filme Murilo Rosa, Zezé Mota, Monica Iozzi, Juliana Alves e Thiago Mendonça estiveram na premiere para divulgação do filme que chega aos cinemas no próximo dia 19 de outubro. O longa que é baseado no conto A Igreja do Diabo de Machado de Assis, conta a história do Diabo (Murilo Rosa) que devido sua baixa popularidade no momento decide fundar sua própria igreja e atrair os humanos a assumirem seus pecados e para isso coloca uma jornalista gananciosa (Monica Iozzi) como sua principal divulgadora. Venturi  lembra que filmou com o elenco em 2014 e aproveitou para lembrar o momento de censura (ele vestia uma camisa com a frase “Censura Nunca Mais”) que grupos conservadores vem tentando calar o movimento artistíco e pediu para o público ver o filme de mente aberta. O filme faz parte da Mostra Panorama do Cinema Mundial do Festival do Rio e está sendo distribuído pela Imagem Filmes no Brasil.

13.10.2017


Zezé Motta participa da pré-estreia do filme ‘A Comédia Divina’, em São Paulo

Murilo Rosa reverência Zezé Motta | Foto: Thiago Duran/AgNews

Murilo Rosa reverência Zezé Motta | Foto: Thiago Duran/AgNews

Murilo Rosa beija Zezé Motta | Foto: Manuela Scarpa

Murilo Rosa beija Zezé Motta | Foto: Manuela Scarpa

Zezé Motta

Zezé Motta

Murilo Rosa e Monica Iozzi

Murilo Rosa e Monica Iozzi

Elenco de 'A comédia divina', de Toni Venturi

Elenco de ‘A comédia divina’, de Toni Venturi

Na noite da última terça-feira (10), aconteceu a pré-estreia de A Comédia Divina, novo filme do diretor Toni Venturi​, no Cinemark do Shopping ​Iguatemi​, localizado noa bairro do Jardim Paulistano, em São Paulo, com a presença de famosos. Do elenco, estiveram presentes, Murilo Rosa e Zezé Motta, que até deram um selinho e receberam inúmeros flashes dos fotógrafos presentes, Mô​nica Iozzi, Dalton Vigh, ​Thiago Mendonça, ​Â​​ngela Dipp​ e Debora Duboc​. A Comédia Divina chega aos cinemas em 19 de outubro e é baseada no conto de Machado de Assis A Igreja do Diabo, em que o Diabo, abalado por sua baixa popularidade, resolve vir à Terra fundar sua própria igreja. Os pecados são virtudes e devem ser estimulados. Utilizando a televisão, o Coisa Ruim potencializa seu poder de sedução para difundir a nova religião. Raquel (Monica Iozzi), uma jovem jornalista ambiciosa, é uma das primeiras a cair sob seu domínio.

Zezé Motta veste Rudge: http://www.rudge.com.br/

11.10.2017