Cultura

Zezé Motta fará show na primeira noite da Feira Internacional do Livro

Zezé Motta

O show “Atendendo a Pedidos”, da cantora e atriz Zezé Motta, será atração da Feira Internacional do Livro neste domingo (16). Na apresentação, marcada para as 21 horas, a artista homenageia seus compositores preferidos, como Caetano Veloso, Luiz Melodia, Jards Macalé e Elizeth Cardoso. A entrada é franca.

Com trabalhos no teatro, cinema e televisão, Zezé Motta completou 50 anos de carreira sendo considerada a Rainha negra do Brasil. Há quem se lembre de Zezé Motta apenas como atriz – difícil mesmo dissociar sua figura da bela e sedutora Xica da Silva -, mas essa é apenas uma das facetas da artista. Seu primeiro disco da carreira, chamado apenas Zezé Motta foi lançado em (1978), com sucessos como Magrelinha (Luiz Melodia) e Rita Baiana (John Neschling e Geraldo Carneiro, tema egresso da trilha sonora do filme O Cortiço, lançado naquele ano de 1978), conciliando inéditas e regravações de alguns dos maiores compositores da MPB, o disco imortalizou a voz de Zezé em Trocando em Miúdos (Francis Hime e Chico Buarque, 1977), Pecado Original (Caetano Veloso, 1978), Baba Alapalá (Gilberto Gil, 1977) e Dores de Amores (Luiz Melodia, 1978).

O primeiro álbum solo da cantora e atriz Zezé Motta foi recentemente reeditado pela Warner Music dentro da Série Discobertas, produzida por Marcelo Fróes. O espetáculo, denominado “Zezé Motta – 50 anos de carreira” apresenta ao público a atriz e cantora que se transformou em sensação mundial ao estrelar o filme Xica da Silva, do diretor Cacá Diegues.

Atuando com assiduidade na televisão, no cinema e nos shows, e saudada como a mais importante atriz-cantora do país, Zezé Motta canta alguns de seus mais importantes sucessos, incluindo as muitas homenagens musicais que lhe foram prestadas, como Senhora Liberdade, de Ney Lopes e Wilson Moreira

Biografia 

Zezé Começou sua carreira como atriz em 1967, estrelando a peça “Roda-viva”, de Chico Buarque, sob a direção de José Celso Martinez Corrêa. Atuou, a seguir, em “Fígaro, Fígaro”, “Arena conta Zumbi”, “A vida escrachada de Joana Martine e Baby Stompanato”, em 1969, “Orfeu negro”, em 1972, e “Godspell”, em 1974, entre outras.

Iniciou sua carreira de cantora em 1971, apresentando-se como crooner das casas noturnas Balacobaco e Telecoteco (SP). Em 1975, gravou, com Gerson Conrad, o LP “Gerson Conrad e Zezé Motta”. Ainda na década de 1970, lançou os LPs “Zezé Motta” (1978) e “Negritude” (1979).

Na década de 1980, lançou os LPs “Dengo” (1980), “Frágil força” (1985), e, com Paulo Moura, Djalma Correia e Jorge Degas, “Quarteto negro” (1987). Em 1995, gravou o CD “Chave dos segredos”. Apresentou-se, representando o Brasil, a convite do Itamaraty, em Hannover (Alemanha), Carnegie Hall de Nova York (EUA), França, Venezuela, México, Chile, Argentina, Angola e Portugal.

Como atriz, participou dos filmes “A rainha diaba”, “Vai trabalhar vagabundo”, “A força de Xangô”, “Xica da Silva”, “Tudo bem”, “Águia na cabeça”, “Quilombo”, “Jubiabá”, “Anjos da noite”, “Sonhos de menina-moça”, “Natal da Portela”, “Prisioneiro do Rio”, “El mestiço”, “Dias melhores virão”, “Tieta”, “O testamento do sr. Napumoceno“, “Orfeu“, entre outros.

Em televisão, atuou em mais de 30 projetos entre novelas e minisséries, nas TV’s: Globo, Record, Bandeirantes e Manchete. Em 2000, lançou o CD “Divina saudade”, interpretando o repertório de Elizeth Cardoso, com arranjos e produção musical de Roberto Menescal e Flávio Mendes. Altamente elogiado pela crítica e imprensa, o show Divina Saudade é sucesso até hoje. Em 2011 Zezé volta ao mercado fonográfico após 11 anos com o lançamento do CD “Negra Melodia”, um dos quatro títulos iniciais da gravadora Joia Moderna, aberta pelo DJ Zé Pedro. No CD Zezé canta composições de Luiz Melodia e Jards Macalé.

Destacam-se, entre seus maiores sucessos como cantora, suas gravações de “Dores de amores” e “Magrelinha”, canções de Luiz Melodia, “Trocando em miúdos” (Chico Buarque e Francis Hime), “Prazer Zezé” (Rita Lee e Roberto de Carvalho), “Crioula” (Moraes Moreira) e “Senhora Liberdade” (Wilson Moreira e Nei Lopes), todas presentes no repertório do show.

Feira do Livro – Este ano, o evento integra o 1º Festival Literário de Foz do Iguaçu, a 37ª Semana Literária do SESC e a Primavera Universitária da Unioeste.

13.09.2018


São José recebe a 5ª edição da FLIM no Parque Vicentina Aranha

Zezé Motta na FLIM no Parque Vicentina Aranha

A 5ª edição da FLIM, a Festa Literomusical do Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos, abre as portas de sua programação 2018 de forma inovadora, na sexta-feira (14) a partir das 19h. Após uma breve Cerimônia de Abertura, Marcelino Freire (vencedor do prêmio Machado de Assis 2014, de Melhor Romance pela Biblioteca Nacional; autor de diversos livros, como “Angu de Sangue” – Ateliê Editorial, e Prêmio Jabuti 2006 com o livro Contos Negreiros – Editora Record), escritor e curador da FLIM 2018, dará as boas-vindas ao público em um bate-papo especial, com Zezé Motta. A atriz e cantora, nascida em Campos dos Goytacazes no Rio de Janeiro, fará uma homenagem a Carolina Maria de Jesus, escritora nascida em uma comunidade rural de Sacramento, Minas Gerais, e interpretada por ela no cinema.

Após o bate-papo, o palco aberto Tom da FLIM recebe Você é o que lê, com Gregório Duvivier, Maria Ribeiro e Xico Sá, em uma conversa sobre o mundo da leitura como espelho do mundo contemporâneo.

O trio compartilha com o público uma conversa descontraída em que tudo se transforma em literatura: redes sociais, youtubers, política, futebol – o que importa para os três é o encantamento por um bom livro e por boas histórias. Maria, Xico e Gregório são escritores, apresentadores e roteiristas atuantes no cinema, na TV, no teatro e nas mídias sociais. Assim como a FLIM, o projeto propõe uma celebração divertida e inteligente da literatura como uma arte acessível, prazerosa e contemporânea. A cada mesa da FLIM, terá um leitor (a) anfitrião (a) para abrir o bate-papo lendo um trecho de um clássico ou da literatura contemporânea, selecionado pelo curador.

No sábado (15) às 10h, a segunda mesa literária da FLIM dialoga sobre o universo Por Dentro das Artes. Nela os cearenses Gero Camilo e Maria Vilani, que vivem em São Paulo. Gero Camilo é ator, cantor, compositor, dramaturgo, poeta. Paralelo a sua carreira de autor e ator, lançou dois discos de canções autorais e algumas parcerias: “Canções de Invento” (2008) e “Megatamainho” (2014). Maria Vilani é poeta e ativista cultural no bairro do Grajaú, autora dos livros “Cinco contos sem desconto e de quebra dois poemas” (1991), “O Reino de Roselândia” (1998), “Varal” (2012), “Penteando a Vida” (2016) e “A Lágrima e o Riso” (2017). É um ícone de resistência, idealizadora e realizadora dos projetos: Escutando e Orientando; MOCAP – Movimento pela Cidadania Artística da Periferia, Inventando Estórias, Fórum de Cultura do Grajaú e CAPS – Centro de Arte e Promoção Social, este com várias atividades culturais há mais de vinte e cinco anos. Ao lado deles, estará Zenilda Lua, poeta paraibana da cidade de Patos, hoje radicada em São José dos Campos.

A terceira mesa literária, prevista para as 14h, une personagens Por Dentro da Luta. Nela o escritor Ferréz, que transformou o bairro paulistano Capão Redondo como escritor, editor e agitador cultural; a mineira Cidinha da Silva, educadora, escritora e uma das principais ativistas negras do país; e do poeta Elizeu Braga, este nascido em Porto Velho, Rondônia.

Às 16h, a quarta mesa literária promove um encontro para celebrar a diversidade. Jarid Arraes, nascida em Juazeiro do Norte, no Ceará, passeia pela prosa e pela poesia de cordel. Em 2015, Jarid publicou “As Lendas de Dandara”, seu primeiro livro em prosa e em edição independente. Em menos de 1 ano, a tiragem foi completamente esgotada e a obra foi republicada em dezembro de 2016 pela Editora de Cultura. É autora de “Heroínas Negras Brasileiras” e “Um buraco com meu nome” lançado esse ano. Ellen Oléria, nascida em Brasília e criada em Taguatinga, DF, é cantora e compositora e uma das apresentadoras do “Estação Plural”, programa dedicado ao universo LGBT. As duas se juntam a atração internacional, Sónia Sultuane. Nascida em Maputo, Moçambique, Sónia é poeta, prosadora, artista plástica e, igualmente às parceiras de mesa, é uma importante referência quando o assunto é feminismo e direitos humanos; membro da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), onde ocupou o cargo de Secretária da Assembleia Geral.

A Fundação Cultural Cassiano Ricardo apresenta às 18h (15/09) no Palco Tá aFLIM, Por Dentro do Sarau, um sarau especial que reunirá poetas de São José dos Campos e de outras partes do interior do Estado, com participações especiais de Gero Camilo, do poeta Elizeu Braga, do cantor e compositor Lula Barbosa e da poeta Luna Vitrolina.

Para a FLIM 2018, o SESC São José dos Campos apresenta o novo espetáculo do grupo Cordel do Fogo Encantado, Viagem Ao Coração Do Sol, encerrando a programação de sábado (15) às 20h30. O disco marca o retorno do Cordel do Fogo Encantado após oito anos de hiato. A banda estreia na região o trabalho autoral que traz canções que ficaram guardadas durante a pausa, além de composições nascidas do reencontro entre Lirinha, Clayton Barros, Emerson Calado, Nego Henrique e Rafa Almeida. As 13 novas faixas que seguem a tradição dos títulos duplos da literatura de cordel e que dialogam com os sentimentos humanos ao longo de uma história de cinco personagens, que percorrem caminhos, por vezes misteriosos e mágicos, em busca da filha do vento, chamada Liberdade.

No domingo (16) às 10h30, a FLIM encerra sua Programação Central com uma celebração a escritora paulista Ruth Guimarães, nascida em Cachoeira Paulista em 1920, falecida em 2014 e que projetou seu nome nacional e internacionalmente com livros como “Água Funda” de 1946. Em um formato inédito na FLIM, a premiada cantora e sambista paulistana Fabiana Cozza, acompanhada do cavaquinho de Henrique Araújo, encerra a programação Mesa Literomusical com a escritora Conceição Evaristo, uma conversa especial intercalada por músicas e com mediação de Adriana Couto. Recentemente, Conceição ficou entre os 11 finalistas da Academia Brasileira de Letras na seleção do novo ocupante da cadeira de número 7, que tem como patrono Castro Alves, conhecido como poeta dos escravos. O encerramento terá a participação especial da escritora Sônia Gabriel na leitura de trecho da obra de Ruth Guimarães.

As crianças também têm um espaço reservado na FLIM, o Quintal das Letras, com atividades infantis, contações de história, leitura, pintura, teatro e até uma Mesinha Literária com alunos entre 6 e 7 anos e professores do EMEI Profº Mário Campaner e NEI José Paulino Bicudo, que escreveram e ilustraram juntos o livro “Medoliques”, dentro do projeto Crianças Autoras, no sábado (15) às 09h30.

A FLIM 2018 também apresenta o Tá aFLIM, uma programação paralela com cursos, oficinas, intervenções artísticas de coletivos da região, shows, cículos de troca e leitura e manifestações artísticas. No interior da FLIM estará a Casa das Prosas, sediada no CFPAO – Centro de Formação Profissional Arte e Ofícios do Parque , com uma programação que tratará do universo da literatura para todos que tem interesse em escrever. Em parceria inédita com a Casa das Rosas, a Casa das Prosas recebe em sua programação o SOS Literatura do CAE – Centro de Apoio ao Escritor. O SOS funcionará como uma central de atendimento aos escritores regionais que prestará orientações individuais no sábado (15) das 14h às 17h, por ordem de chegada. A proposta é contribuir para a formação dos autores e orientá-los nos possíveis caminhos da complexa e fascinante carreira literária, seja na escrita criativa, ou nas atividades de crítica, editorial, mediação de leitura e pesquisa.

Sobre a FLIM

Em sua quinta edição, a Festa Literomusical do Parque Vicentina Aranha já é o maior evento literomusical do Vale do Paraíba e considerado um dos principais festivais do interior paulista. Confirmada para os dias 14, 15 e 16 de setembro, a FLIM 2018 aguarda cerca de 30 mil pessoas nos três dias de uma intensa e diversificada programação cultural gratuita, com mesas literárias onde escritores e artistas se encontram para dialogar com a mediação de um convidado; shows musicais, teatro, atividades lúdicas como caminhadas poéticas e contações de histórias para crianças, lançamento de livros, saraus e oficinas.

Com a curadoria do escritor Marcelino Freire, o evento contará novamente com a mediação de Adriana Couto, jornalista nascida em Itaquera, periferia de São Paulo e que, à frente do programa Metrópolis da TV Cultura, está sempre por dentro do que acontece de melhor no cenário cultural nacional.

O tema desse ano é INTERIORES, um convite às páginas de um Brasil profundo. “Interior. Estar no interior das coisas, por dentro, na raiz dos acontecimentos, nas entrelinhas de um livro, nos bastidores de um show, no centro das geografias mais íntimas, na alma de um lugar.” declara, Marcelino Freire.

A FLIM é 100% acessível, não apenas contempla gratuidade, mas incentiva a participação de portadores de deficiência através de divulgação e inclusão de atividades como: programação divulgada e impressa em braille. Todas as mesas tem tradução em libras, atendendo o público portador de deficiência auditiva.

A FLIM 2018 é um projeto realizado com apoio do ProAC e da Prefeitura de São José dos Campos, gestão da AFAC – Associação para o Fomento da Arte e da Cultura e parceria do Sesc São José dos Campos e da Fundação Cultural Cassiano Ricardo. Conta com o patrocínio master do Poliedro Educação; patrocínio especial da EDP Brasil, Oscar Calçados e DMCard; patrocínio da Vinac Consórcios; e apoio do Vale Sul Shopping, Hospital Pró-Infância, NipBr, Redenção Turismo e Unimed São José dos Campos. O apoio de mídia é do Jornal O Vale e da Rádio Jovem Pan e conta com a colaboração do Hotel Ema Palace, Hotel Dan Inn São José dos Campos, Hotel Nacional Inn São José dos Campos, Haruf, Nibs Juice Bar, Artesane Gelateria, Academia Joseense de Letras, Editora Senac e Casa das Rosas.


Viradão Vitória: Zezé Motta e filmes empolgam público no Festival de Cinema

Show Zezé Motta

Show Zezé Motta

Show Zezé Motta

Show Zezé Motta

Zezé Motta sacudiu o lounge do Festival de Cinema de Vitória, na última sexta-feira, 7, durante o Viradão Cultural de Vitória. A atriz e cantora apresentou o show “Atendendo a Pedidos”, com repertória que incluiu Luiz Melodia, Jards Macalé, Caetano Veloso e Rita Lee. “Meu coração está em festa com esse show”, disse Zezé, que completou: “Quero agradecer o carinho com que fui recebida em Vitória”, disse.

Fotos: Leonardo Silveira


Bastidores da telona

Lázaro Ramos, Raphael Logam, Dhu Moraes e Zezé Motta

Lázaro Ramos, Raphael Logam, Dhu Moraes e Zezé Motta, posam nos bastidores da gravação de M-8 – Quando a Morte Socorre a Vida, filme do diretor Jeferson De, do premiado “Bróder” (2010). Inspirado no livro “M-8 — Quando a morte socorre a vida”, de Salomão Polak, “M-8” contará, com toques de realismo fantástico, o encontro de dois jovens negros em uma aula de anatomia: um deles, estudante de medicina, observa o corpo do outro, morto e considerado indigente. Até que, de repente, o morto, pobre e morador de comunidade, começa a conversar com o jovem médico. O filme pretende vir como uma forma de denúncia a todos os que são mortos e enterrados como indigente, mas que possuem família e vida.

 

10.09.2018


Zezé Motta e Sandra de Sá no ensaio para o 29º Prêmio da Música Popular Brasileira

Zezé Motta e Sandra de Sá Maurício Macheline, Zezé Motta e Sandra de Sá

Fotos: Rafael Oliveira | Studio Rico

14.08.2018


Zezé Motta homenageada com foto no Instituto Moreira Salles

Zezé Motta - Instituto Moreira Salles