Cultura

Zezé Motta homenageia o centenário de Elizeth Cardoso com o projeto Sesc ao Vivo

Para levar muita música brasileira até sua casa, o Sesc SP promove a série Sesc Ao Vivo, que transmite lives de grandes artistas!

16/7, quinta-feira |  Zezé Motta canta Elizeth Cardoso

No dia em que a cantora Elizeth Cardoso (1920-1990) completaria 100 anos, a atriz e cantora Zezé Motta presta uma homenagem a essa grande personagem considerada a Primeira Dama da nossa música popular.

14.07.2020


Zezé Motta é presença confirmada na Balada Literária 2020

zezé motta na balada literária

 

A Balada Literária já tem data para acontecer e promete reunir importantes nomes da cultura. Nesta edição, a quarta em Teresina, o evento ocorrerá nos dias 24 e 25 de agosto, de forma virtual, pelo canal Balada Litherária-PI no YouTube, segundo Wellington Soares, curador da Balada no estado.

Em 2020, a Balada homenageia o cineasta Douglas Machado, diretor de Cipriano, primeiro longa-metragem da história do cinema piauiense, e a escritora paulista Geni Guimarães, vencedora do Prêmio Jabuti em 1990 com o livro A cor da ternura.

Dentre as atrações nacionais, participarão este ano a filósofa Márcia Tiburi, em um bate-papo sobre “cultura em tempos de ódio e fascismo”; o escritor e roteirista Marçal Aquino, discutindo o “futuro do cinema brasileiro daqui pra frente”; a professora Geni Guimarães, dialogando sobre “a cor da ternura na poesia negra”; e, por fim, a atriz e cantora Zezé Motta, proseando sobre “a imagem do cinema nacional”.

No time dos anfitriões, destaque para o cineasta Douglas Machado, homenageado local do evento, que marcará presença na conversa sobre “20 anos de Cipriano e uma vida de cinema”, e para Danilo Carvalho (artista visual), Karla Holanda (professora) e Juscelino Ribeiro (jornalista) que trocarão ideias, em mesa-redonda, a respeito das “produções e os desafios do cinema piauiense”.

A representação musical fica por conta de dois nomes irreverentes da nossa cena artística: Moisés Chaves e a banda Bia e os Becks.

09.07.2020


80 anos de Cacá Diegues

Zezé Motta e Cacá Diegues (5) Zezé Motta e Cacá Diegues (5) Zezé Motta e Cacá Diegues (5) Zezé Motta e Cacá Diegues (5)

Zezé Mota e Cacá Diegues

 

Já fiz cinco filmes com Cacá – Xica da Silva, Quilombo, Dias Melhores Virão, Tieta, Orfeu – e no que depender de mim faço mais. Adoro trabalhar com ele. Quando ele me chamou para o Quilombo, achei que tinha enlouquecido de vez. Aquela mulher, Dandara, não podia ser feita por mim. Ela não sorria nunca, só guerreava. Eu não imaginei que fosse capaz de fazer um filme inteiro sem sorrir. Quilombo reconta um momento riquíssimo da história do Brasil, sob o ponto de vista dos vencidos. Pelos documentos oficiais de Portugal, os habitantes de Palmares eram considerados 105 bandidos. O filme mostra que os negros sempre lutaram pela sobrevivência, não estavam acomodados à espera de um redentor. Ir para Cannes representando o filme com a equipe foi uma emoção à parte. O filme foi ovacionado na sessão de gala e nós saímos aos prantos da sala de projeção. Depois, em Dias Melhores Virão e Tieta também fiz duas personagens austeras: uma dubladora e uma solteirona. A dubladora foi mole porque eu fazia a melhor amiga da personagem da Marília Pêra. Então, foi só copiar da vida real. Já a solteirona do Jorge Amado, a Carmosina, deu uma certa responsabilidade porque ela já tinha sido interpretada na TV pela maravilhosa Arlete Salles. Quando vi o filme, achei que não tinha me saído bem. Mas depois Caetano, Miguel Faria Jr. e o próprio Cacá me convenceram de que eu tinha dado bem o recado. E no Orfeu eu tive a oportunidade de revisitar a obra, uma vez que eu tinha sido a Eurídice no teatro, ao lado do Zózimo Bulbul, dirigida pelo Haroldo de Oliveira. Na versão do Cacá, eu fazia a mãe do personagem do Toni Garrido. Fazer esse filme foi uma emoção à parte, porque Orfeu Negro, do Marcel Camus, foi o primeiro filme que eu vi na vida. Cacá, é um irmão, um amigo, e um dos grandes responsáveis pela minha história no cinema nacional. A minha gratidão é e sempre será eterna ao Cacá. Feliz aniversário, para esse pai, marido, e ser humano incrível, Cacá Diegues. (Zezé Motta)

 

 

 

19.05.2020


Zezé Motta em Xica da Silva, de Cacá Diegues (1976)

Zezé Motta em Xica da Silva (2)

Zezé Motta em Xica da Silva

Zezé Motta em Xica da Silva (2)

31.03.2020


Zezé Motta canta Elizeth Cardoso no Imperator, no Dia Internacional da Mulher

Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti

Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Cristiano Moreno no Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Cristiano Moreno no Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Ricardo Maccord - Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Ricardo Maccord - Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Ricardo Maccord - Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Ricardo Maccord - Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti Show Divina Saudade de Zezé Motta | Foto: Ariel Cavotti

08.03.2020


Zezé Motta canta sucessos Elizeth Cardoso no Imperator

Zezé Motta

Zezé e Elizeth tem muito em comum, são cantoras, mulheres, negras, brasileiras, ambas mergulharam numa espécie de underground da vida musical carioca, emergiram e venceram num país que ainda o machismo e racismo estão presentes!

O show é uma humilde e generosa homenagem a Elizeth Cardoso, que começou a carreira como Elisete que trabalhava como taxi-girl de dancing e passou maus bocados, mas que superou sem queixas e se transformou na Elizeth, uma das maiores intérpretes brasileiras.

É um espetáculo da melhor música popular brasileira, num período de ouro, onde o beco das garrafas era ponto de encontros de artistas e não de traficantes, e principalmente a uma espécie rara que vive para isso: A perpetuação de sua obra.

“Eu queria fazer algo novo, um trabalho que fosse um marco na minha carreira de cantriz. Um dia acordei e vi na minha estante o livro ELIZETH A DIVINA, de Sérgio Cabral, que eu havia lido há um ano atrás. Me lembrei da emoção que foi encontrar com ela, em um show dirigido por Hermínio Bello de Carvalho, em homenagem a Herivelton Martins. Durante o ensaio conversei com Elizeth, e senti total afinidade, além de algumas coincidências, como signo, carisma, etc…. Eu sabia que a Divina tinha feito uma trajetória pautada por um cuidado excepcional, com seu repertório, e que homenageá-la seria assumir a grande responsabilidade de interpretar um time de iluminados da MPB, tais como: Pixinguinha, Cartola, Baden Powell, Haroldo Barbosa, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e outros tantos. Homenagear essa diva, que muita saudade deixou, acabou virando um grande projeto em minha vida, pois com o show e o CD DIVINA SAUDADE, vou estar também homenageando as grandes divas negras de Jazz nas quais ela se inspirou. ” Zezé Motta

Local: Teatro

Abertura da casa: 1h antes do evento

Mais informações:

Tel.(21) 2597-3897
Email: contato@imperator.art.br

04.03.2020