Cultura

Zezé Motta faz show em Garanhuns

Mariana Aydar, Zezé Motta, Mônica Feijó, Roberta Nistra e Rita Benneditto vão dividir palco com Karynna Spinelli no FIG

Mariana Aydar, Zezé Motta, Mônica Feijó, Roberta Nistra e Rita Benneditto vão dividir palco com Karynna Spinelli no FIG | Foto: Divulgação / Fabi Veloso

Karynna Spinelli e Zezé Motta | Foto: Divulgação

Karynna Spinelli e Zezé Motta na passagem de som | Foto: Divulgação

Zezé Mota e Karynna Spinelli mostram toda brasilidade do samba no Palco Dominguinhos

Zezé Mota e Karynna Spinelli mostram toda brasilidade do samba no Palco Dominguinhos

Zezé Motta

Zezé Motta

Zezé Motta conseguiu uma folga nas gravações de “Escrava Mãe”, próxima novela da Record, que vai substituir “Os Dez Mandamentos”, e pegou a ponte aérea rumo ao Recife, na última quinta (23). Ela foi uma das atrações do projeto “Bendito Samba”, projeto que reuniu um time de artistas em show inédito no Festival de Inverno da cidade de Garanhuns, no Agreste pernambucano. Zezé dividiu o palco com a paulistana Mariana Aydar, a Maranhense Rita Benneditto, a carioca Roberta Nistra e as pernambucanas Karynna Spinelli e Mônica Feijó. O show foi marcado para encerrar a programação do FIG na sexta-feira (23).

27.07.2015


Documentário “A Rainha das Américas”, sobre Chica da Silva, tem direção de Zezé Motta

Documentario Chica da Silva - Ancelmo

219 anos após sua morte, Chica da Silva e o famoso contratador de diamantes, João Fernandes de Oliveira serão foco de um documentário cientifico. A equipe forense composta por Dr. Anthony Falsetti, um especialista de renome mundial em antropologia forense (Finding Anastásia), Dra. Ann Horsburgh uma antropóloga molecular que analisou o DNA do presidente Abraham Lincoln dos Estados Unidos (Lincolns’ Secret Killer), e Dra. Eugenia Cunha uma antropóloga da Universidade de Coimbra,  irão exumar Chica e o contratador de diamantes e um holograma será criado.

Esta será a primeira imagem de Chica da Silva e João Fernandes de Oliveira cuja paixão estabeleceu um precedente para todos os casais inter-raciais no mundo inteiro. A Rainha das Américas, a estória da escrava Chica da Silva será produzida por Rosi Young, Tathiana Mourão e Jonas Klabin. O documentário será dirigido pela fantástica Zezé Motta que foi a primeira atriz a interpretar Chica em um filme. A Rainha das Américas, também está em negociação a participação de talentos como; o fotografo Jacques Dequeker, o escultor Pedro César, Isis Valverde, Tais Araújo, Catyana Skory Falsetti.

O longa metragem começa a ser filmado no verão de 2017, mais a procura pela atriz que será Chica da Silva começa no verão de 2016. Todo o projeto, desde o início, conta com a parceria da Secretaria de Cultura, Turismo e Patrimônio de Diamantina que acredita ser de grande importância histórica turística e cultural para a cidade.

02.07.2015


Record homenageará Zezé Motta através da novela “Escrava Mãe”, de Gustavo Reiz

Zezé Motta como Tia Joaquina | Escrava Mãe | Edu Moraes/Record

 

A novela “Escrava Mãe” do autor Gustavo Reiz, que substituirá “Os Dez Mandamentos”, tem Zezé no elenco, que viverá o personagem “Tia Joaquina”. Todas as primeiras cenas dos capítulos terão a participação da atriz,  e além disso a intérprete fará a narração de diversas passagens da trama.


Zezé Motta e “O Samba Mandou Me Chamar” na coluna Ancelmo Gois

O Samba Mandou Me Chamar, Zezé Motta - Ancelmo Gois


Zezé Motta por “Meu Caro Vinho”

zeze_foto_lp

Os discos da cantora e atriz Zezé Motta sempre passearam pela minha galeria de fotos, recebendo todo o destaque necessário para que se despertasse do público o interesse em conhecê-los. Só que hoje o destaque é mais que especial: Ontem a Zezé completou mais um ano de vida. Além de celebrar a festiva data, exalto sua obra que insisto em dizer que merece sim ser revisitada. Obrigado Zezé por dividir sua história conosco. Meus parabéns e um terno abraço. Foto: @jairdeassisfoto


Zezé Motta é imortalizada no Museu da Imagem e do Som no Rio de Janeiro

Zezé Motta

Por ser de tamanha importância para a cultura brasileira, a atriz e cantora Zezé Motta foi a convidada deste mês na série Depoimentos para a Posteridade, no último dia 15 de abril, na sede da Praça XV. Como seus entrevistadores, Érica Prado (jornalista); Iléa Ferraz (atriz, artista plástica e diretora); Ivan Alves (ator e diretor) e Rodrigo Faour (jornalista e escritor).

Zezé começou sua carreira como atriz em 1967, estrelando a peça “Roda-viva”, de Chico Buarque, sob a direção de José Celso Martinez Corrêa. Como cantora, em 1971, apresentou-se como crooner das casas noturnas Balacobaco e Telecoteco, ambas em São Paulo. Sua estreia no Rio de Janeiro foi com um show no MAM, produzido por Guilherme Araújo. Natural de Campos, interior do RJ, Zezé Motta nasceu Maria José Motta de Oliveira, em 27 de junho de 1944.  Com apenas dois anos, ela mudou-se com a família para o Rio de Janeiro e, mais tarde, chegou a frequentar a escola do teatro Tablado.

De 1975 a 79, lançou três LPs:  “Gerson Conrad e Zezé Motta”; “Zezé Motta” e “Negritude”. Nos anos 80, lançou mais três trabalhos como cantora: “Dengo”, “Frágil força” e, com Paulo Moura, Djalma Correia e Jorge Degas, “Quarteto negro”. E não parou por aí. Apresentou-se, representando o Brasil, a convite do Itamaraty, em Hannover (Alemanha), no Carnegie Hall de Nova York (EUA), França, Venezuela, México, Chile, Argentina, Angola e Portugal.

Como atriz, participou dos filmes “A rainha diaba”, “Vai trabalhar, vagabundo”, “A força de Xangô”, “Xica da Silva”, filme que a consagrou internacionalmente e pelo qual recebeu vários prêmios, “Tudo bem”, “Águia na cabeça”, “Quilombo”, “Jubiabá”, “Anjos da noite”, “Sonhos de menina-moça”, “Natal da Portela”, “Prisioneiro do Rio”, “Mestizo”, “Dias melhores virão”, “Tieta”, “O testamento do sr. Napumoceno” e “Orfeu”.

Em televisão, atuou nas novelas “Corpo a corpo”, “Pacto de sangue”, “A próxima vítima” e “Corpo dourado” e nas minisséries “Memorial de Maria Moura” e “Chiquinha Gonzaga“, da Rede Globo, nas novelas “Kananga do Japão” e “Xica da Silva”, e na minissérie “Mãe-de-santo”, da Rede Manchete.

Destacam-se, entre seus maiores sucessos como cantora, suas gravações de “Dores de amores” e “Magrelinha”, canções de Luiz Melodia, “Trocando em miúdos” (Chico Buarque e Francis Hime), “Prazer Zezé” (Rita Lee e Roberto de Carvalho), “Crioula” (Moraes Moreira) e “Senhora Liberdade” (Wilson Moreira e Nei Lopes).

Zezé Motta foi casada algumas vezes e, ao longo de sua vida, adotou cinco meninas e um menino : Luciana, Nadine, Sirlene, Carla, Cíntia e Robson. É também avó de Luíz Antônio, filho de Nadine, de Heron e Loma, filhos de Sirlene, e de Isadora, filha de Luciana.

20.04.2015