Cultura

Zezé Motta no show em homenagem a Dolores Duran

O jornalista Ancelmo Gois publicou hoje em sua coluna, no O Globo, que artistas do calibre de Ney Matogrosso, João Roberto Kelly, Dóris Monteiro, Lana Bittencourt e Zezé Motta farão um grande show no Imperator, dia 17, em homenagem aos 60 anos de morte de Dolores Duran (1930-1959). Toda a renda do espetáculo irá para a família da cantora, que tem passado por necessidades financeiras. O show “Uma tarde para Dolores Duran e família” tem direção de Rodrigo Faour, biógrafo da artista.

Dolores Duran

Dolores Duran

 

Veja Zezé Motta cantando “A Noite do Meu Bem”:

01.07.2019


Zezé Motta se apresenta na 35ª Felib em Brasília

Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Joan Barros com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Joan Barros com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Joan Barros com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana Zezé Motta com o Show Atendendo a Pedidos | Foto: Mateus Santana

A noite do domingo (16) foi marcada em Brasília pela participação da cantora e atriz Zezé Motta e do escritor Tom Farias na 35ª Feira do Livro de Brasília (Felib). Os dois agitaram a Arena Outras Leituras em um diálogo direto com o público, onde se posicionaram sobre a maior parte dos temas referentes à população negra contemporânea.

Zezé falou de sua carreira de atriz e do filme Carolina, do cineasta Jeferson De – de 2003, no qual interpretou Carolina Maria de Jesus. “Não dava para manter distância dos sofrimentos dela, pois o que ela enfrentou foi muito da vida de outras pessoas da sua época”, disse detalhando os desafios de reviver a escritora. O filme teve como base a obra mais famosa de Carolina: Quarto de Despejo – Diário de Uma Favelada.

O livro também inspirou Farias que apresentou sua obra Carolina: Uma Biografia, recém-lançada pela Editora Malê. Mas, para chegar à publicação ele foi além: estudou mais de 500 trabalhos, entre teses, dissertações e recortes de jornais para trazer o retrato de uma Carolina que não estava nos livros que ela própria escreveu. “Eu quis fugir da imagem que todos têm dela, aquela do ‘Quarto de Despejo’. Fui em busca da Carolina que escreveu a História do Brasil sob a ótica do negro, sobretudo de uma forma poética, fabular e antropológica entre outros aspectos”, ressaltou.

De acordo com o escritor, Carolina quebra um paradigma social, pois, com sua baixa escolaridade, venceu pela escrita. Zezé, enfatizou que o livro de Farias tem muito a dizer, especialmente para as mulheres brasileiras que têm uma realidade próxima a de Carolina. “É necessário vencer apesar de todas as adversidades”, disse relembrando, ainda, as primeiras lutas do Movimento Negro.

Racismo velado – Zezé Motta e Tom Farias fizeram um paralelo entre a década de 1970 e a atualidade: “O racismo era velado e éramos acusados de importarmos problemas que o Brasil não tinha. Hoje, com as redes sociais, não se tem como fugir, todo mundo diz o que de fato pensa, seja protegido ou não pela rede”, afirmou a atriz. “Também pelo racismo, a história do negro é mal contada há 500 anos, e, pouco se faz para que essa realidade seja modificada”, complementou Farias.

O escritor abordou ainda o Art. 26-A da Lei nº 9.394/1996 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional –, com redação dada pela Lei 10.639/2003, que estabelece o ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana nas escolas públicas do Brasil. “É uma lei justa. Vamos continuar em busca de que seja implementada em todas as escolas”. Ele apontou um tópico importante a ser trabalhado pelo Estado: “Existem materiais, mas os nossos professores infelizmente não estão preparados para absorverem esse conhecimento”.

Mercado artístico e literário negro – Quando o assunto é a abertura dos espaços artísticos e do mercado editorial para negras e negros, as barreiras são múltiplas. Ao relembrar seus primeiros momentos como atriz, Zezé resgatou que nesse universo, os negros estavam sempre em papéis onde não tinham família, eram escravizados ou serviçais. “Você pegava o book de um ator e, além de constantemente desatualizado pela falta de oportunidades, ele estava limitado a experienciar apenas esses personagens”, desabafou.

Do auditório, a modelo e atriz Simone Ramos se identificava com as falas da referência no palco. “Zezé é uma mulher guerreira que, com sua luta, nos incentiva a acreditar na nossa história”, disse emocionada. No evento, Simone estava como ponte entre Zezé Motta e as mulheres e meninas das comunidades nas quais ela é referência – Ceilândia e o Quilombo Mesquita. “A mensagem que levo da Zezé é que não podemos desistir. Precisamos nos envolver mais com a nossa cultura para enfrentar os desafios e alcançarmos um futuro melhor”, disse.

A 35ª Felib foi encerrada com Zezé interpretando várias maneiras de amar em canções como Trocando em Miúdos,SoluçosFez BobagemPérola NegraCrioula. O pocket show foi marcado pela canção Tigresa, música de Caetano Veloso em homenagem à Zezé. A noite terminou em festa com as pessoas que compunham o público sambando no palco a convite da cantora.

16.06.2019


Zezé Motta na 35º Feira do Livro de Brasília

Zezé Motta no Festival do Livro de Brasília

Zezé Motta é atração confirmada na 35• Feira do Livro de Brasília. A cantriz participa no dia 16.06, às 18h, da roda de conversa cujo tema é (A #Luta e o #Protagonismo #Negro), ao lato do escritor Tom Farias. Às 20h, ela solta a voz no encerramento do evento com o show “Atendendo a Pedidos”, onde interpreta canções que foram marcadas em seus mais de 50 anos de carreira. Entra franca, não percam!

14.06.2019


Zezé Motta participará da 7º FLI – Festival Literário de Iguape

Zezé Motta no 7º FLI - Festival Literário de Iguape | O Futuro não Demora no 7º FLI

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Poiesis, Oficinas Culturais de São Paulo e Prefeitura Municipal de Iguape apresentam a 7ª edição do FLI – Festival Literário de Iguape.

O Festival, que acontece no interior do estado de São Paulo – na região do Vale do Ribeira – desde 2013, traz para este ano o tema “Futuro, Lugar e Memória”. Com as presenças de escritores, artistas e pensadores como Zezé Mota, Conceição Evaristo, Ana Maria Gonçalves, Geovani Martins, entre outros, serão discutidas questões sobre território, ancestralidade e povos tradicionais.

7 e 8 de junho!

Programação completa: oficinasculturais.org.br/7fli

17.05.2019


Zezé Motta no Altas Horas

Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo Zezé Motta e Toni Garrido no Altas Horas, Globo

Toni Garrido e Zezé Motta cantaram ‘Se Todos Fossem Iguais A Você’, sucesso de Vinicius de Moraes e Tom Jobim no palco do Altas Horas, na noite deste sábado, 11, em homenagem ao dia das mães. A apresentação completa você confere aqui: https://globoplay.globo.com/v/7609508/

13.05.2019


Zezé Motta e Hilton Cobra São Homenageados Pelo Prêmio Braskem De Teatro

Zezé Motta

Zezé Motta

Os atores Zezé Motta e Hilton Cobra serão os homenageados do 26º Prêmio Braskem de Teatro. Os dois já viveram personagens de Jorge Amado, romancista que inspirou as artes cênicas e que terá a obra como tema central da cerimônia de entrega da premiação no dia 15 de maio no Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador. Além da ligação dos artistas com o escritor e seus personagens, eles se destacam pela “contribuição à arte, à cena e à cultura nacionais, em especial na defesa dos valores humanos e sociais dos povos marginalizados”, conforme destaca o diretor artístico da cerimônia Luiz Marfuz.

“Cobrinha”, como Hilton também é conhecido, tem quatro décadas de dedicação ao trabalho como ator e diretor. Além da atuação no palco, ele contribuiu para dar mais espaço para artistas negros, o que foi viabilizado pela criação da Companhia dos Comuns, entre outras iniciativas políticas-artísticas dele. Ao longo da sua carreira, Zezé também foi atuante no combate ao racismo e preconceito contra a mulher. Ela interpretou Rosenda Rosedá, personagem criada por Jorge no livro Jubiabá, que conta a história de um dos primeiros heróis negros da literatura brasileira.

Outros artistas que também foram reconhecidos em outras edições do Prêmio Braskem de Teatro, desta vez voltam ao palco para conduzir a cerimônia. Esse papel será assumido pelos atores Frank Menezes, Zeca de Abreu e Amaurih Oliveira. A atriz e cantora baiana Larissa Luz, também, fará uma participação especial no evento, que ainda terá o coro cênico-musical composto por artistas da cena baiana, como: Anderson Dantas, Clara Paixão, Ela Nascimento, Danilo Cairo, Daniel Farias, Fernanda Silva, Fernando Santana, Josy Varjão, Mariana Borges, Ridson Reis.