Dica da Zezé

Mulher de Favela: o poder feminino em territórios populares

Mulher de Favela: o poder feminino em territórios populares

Mulher de favela – o poder feminino em territórios popularesO que é ser mulher? O que é ter poder? O que é ser uma mulher com poder na favela? Estas questões norteiam o presente trabalho que busca compreender como a feminização do poder é, de fato, um movimento que emerge no cenário atual e que compreende que há um protagonismo da mulher em condições de subalternidade. Partindo do testemunho de 15 mulheres representando 15 favelas do Rio de Janeiro, esse livro nos convida a ouvir suas vozes e aprender com o que elas têm a nos dizer. Aqui narraram e desenharam outra forma de exercitar suas experiências vividas e transformaram suas inquietudes em pontes, criando e articulando possibilidades de ação. Demonstram que têm um projeto de cidade, mas com uma escolha radical pelo território da favela. A trajetória de cada uma delas nos apresenta os diferentes caminhos que as mulheres vêm encontrando para transformar o mundo e transformarem-se a si mesmas, buscando novas formas de escrever a história — sua e dos outros que as cercam.

Zezé Motta, sobre o livro da professora Nilza Rogéria de Andrade Nunes 

23.09.2018


CEVENB apresenta: Reparação da Escravidão e Doença Falciforme – ações para uma assistência à saúde de qualidade

Reparação da Escravidão e Doença Falciforme - ações para uma assistência à saúde de qualidade

 

Link para inscrição: 

https://goo.gl/forms/rwifISei4feUE6XM2

03.09.2018


Em segunda edição, projeto Mulher com a Palavra leva Zezé Motta e Gaby Amarantos para roda de conversas no TCA

Zezé Motta e Gaby Amarantos

Zezé Motta e Gaby Amarantos

O projeto Mulher com a Palavra volta a Salvador para uma segunda edição no dia 30 de julho e tem a atriz Zezé Motta e a cantora Gaby Amarantos como convidadas. O evento será realizado no Teatro Castro Alves, e os ingressos do evento custam R$ 5 (meia entrada) e R$ 10 (inteira).

A roda de conversas terá mediação da jornalista Rita Batista e traz o tema “#feminismos!”. O objetivo do diálogo é trazer reflexões sobre as diferentes formas de ser feminista na atualidade, dentro das ações na cultura e na arte.

O Mulher com a Palavra já teve participação de nomes como Conceição Evaristo, Karol Conká, Elza Soares, Taís Araújo, Camila Pitanga, Marina Lima, Zélia Dunkan, Márcia Tiburi, Preta Gil, MC Carol e Elisa Lucinda.

Além das artistas e escritoras, o projeto já contou com a mediação das jornalistas Tereza Cruvinel, Maíra Azevedo (Tia Má), Malu Fontes e Vânia Dias.

Serviço

O que: Mulher com a Palavra – com Zezé Motta e Gaby Amarantos
Quando: Dia 30 de julho (segunda-feira), às 20h
Onde: Palco principal do Teatro Castro Alves
Quanto: R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia entrada), disponíveis nas bilheterias do Teatro Castro Alves, Balcões SAC e no site http://www.ingressorapido.com.br

Zezé Motta e Gaby Amarantos no Mulher com a Palavra

30.07.2018


Zezé Motta é a homenageada do FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema

É com grande prazer que em nome da Casa Redonda, da Associação Cultural Kinoforum, da Avon, do Sesc São Paulo convidamos para a cerimonia de abertura do FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema a realizar-se no dia 04 de julho de 2018 às 19h30 no Cinesesc em São Paulo.

Zezé Motta FIMCINE

03.07.2018


Chegou o FIM! Festival Internacional de Mulheres no Audiovisual

Zezé Motta homenageada do Festival Internacional de Mulheres no Cinema

É com prazer que Casa Redonda e Kinoforum anunciam a primeira edição do FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema.

A sigla FIM não surge por acaso. O Festival quer o fim da sub-representatividade feminina no cinema, estimulando o começo de um novo ciclo com maior espaço para as mulheres de todas as etnias e de diferentes regiões do Brasil e do mundo.

Trazendo a atriz Zezé Motta como homenageada dessa edição, o Festival apresenta mostras competitivas nacional e internacional de longas-metragens, exclusivamente dirigidos por mulheres, mostras especiais e ações de formação e debate que fortalecem o protagonismo feminino nas telas e atrás das câmeras.

As sessões do FIM acontecem no Cinesesc e no Espaço de Cinema Itaú – Augusta. Convidamos você a conferir a seleção de filmes e as talentosas diretoras apresentadas nesta primeira edição.

4 a 11 de julho
São Paulo / SP

Confira a programação completa no site:
www.fimcine.com.br

25.06.2018


Zezé Motta prestigia lançamento de Tom Farias sobre Carolina Maria de Jesus

Zezé Motta, Tom Farias e Helio de La Pena

Aconteceu na noite desta terça, 20, na livraria da Travessa em Ipanema, o lançamento da biografia sobre Carolina Maria de Jesus, escrita por Tom Farias. Em 1960, quando lançou seu livro “Quarto de despejo”, Carolina de Jesus se tornou uma celebridade. O livro, que registrava o cotidiano precário em uma favela de São Paulo, onde ela criava três filhos, foi traduzido e publicado em mais de 40 países. Carolina saiu da favela, mas as dificuldades continuaram: a escritora foi apropriada como uma curiosidade exótica pela sociedade que sempre lhe virara as costas, e seu livro se tornou objeto de decoração em estantes de salas de visita.

De tempos em tempos volta-se a falar de Carolina de Jesus, mas até aqui o material biográfico disponível a seu respeito era escasso. Isso muda com o lançamento de “Carolina – Uma biografia” (editora Malê, 402 pgs. R$ 72), do pesquisador e ensaísta Tom Farias. O livro entrelaça uma pesquisa ambiciosa sobre a vida da escritora com uma interpretação crítica de sua obra. O autor investiga a infância da autora em Sacramento, MG, seu trabalho como doméstica, sua vida na favela e sua inserção no mundo intelectual. Na última parte, fica claro o contraste entre a fama meteórica e o ostracismo de seus anos finais. Nesta entrevista, Tom Farias – também autor de ensaios sobre José do Patrocínio e Cruz e Souza – explica a importância da obra de Carolina de Jesus e comenta episódios de sua trajetória. Zezé Motta que já viveu a vida de Carolina no cinema, onde recebeu vários prêmios com o filme, e sonha em produzir uma peça baseada na história da escritora e catadora de lixo, também esteve presente no local. Ruth de Souza, Martinho da Vila, Miriam Leitão e muitos intelectuais passaram pelo local.

21.03.2018