Dica da Zezé

Conheça as Bonecas Africanas Ahosis do Instituto Onikoja

 

O “Instituto Onikoja” é uma Instituição, sem fins lucrativos que “nasceu” comprometido com a promoção da cultura e do diálogo social; com o apoio e fomento ao diálogo inter religioso e com a preservação do patrimônio ético e simbólico de Matriz Africana.

O então Projeto foi gestado em um solo sagrado, no espaço de uma comunidade-terreiro – o Humpame Kuban Bewa Lemin, iniciando suas ações sócio culturais em conjunto com a casa religiosa no ano de 2000 e, ao longo desses 18 anos, vem pautando tais ações no acolhimento de todas e todos, indistintamente, em todas as suas diferenças e para todos os credos, estabelecendo espaços de cooperação.

Nesse sentido buscou-se a convivência com base no trabalho comum, compartilhado, baseado na valorização das capacidades individuais em prol de objetivos coletivos.

As ações sócio culturais hoje desenvolvidas pelo Instituto Onikoja levaram à Comunidade Terreiro (sua então Instituição Mantenedora) a ser selecionada (por edital no ano de 2014) como Ponto de Cultura do Estado do RJ.

14.07.2020


Zezé Motta em live nesta terça-feira com a Warner Music

Reconhecida na TV e cinema por papéis que marcaram a vida de muitos brasileiros, Zezé Motta tem também uma extensa colaboração no cenário fonográfico. Para bater um papo e fazer algumas palhinhas, a artista é a convidada de hoje para a live do projeto Warner Music Entrou Na Sala. A live será transmitida pelo instagram da cantriz e também pelo da gravadora. Não percam! Em parceria com a Warner Music Brasil, Zezé já lançou: Zezé Motta (1978), Negritude (1979) e Dengo (1980), além da compilação Geração Samba (1996).

07.07.2020


Marielle Franco: presente!

Sankofa – A África que Te Habita

Sankofa – A África que Te Habita

O legado de Marielle Franco no feminismo negro ganha delicada homenagem em animação do conto sobre resistência e conquistas das minorias “A Lenda do Tambor”, a ser exibida nesta sexta-feira (12.06), às 20h30, no canal de TV por assinatura Prime Box Brazil. Narrada por Zezé Motta, a lenda diz que um grupo de macacos sonhava sem sucesso ir à Lua, até que o menor deles tem a ideia de se amontoarem entre si para traze-la à terra. A analogia é retratada na série documental “Sankofa – A África que Te Habita”, que reflete sobre as sequelas da opressão colonial, dentre as quais o racismo sofrido por afrodescendentes, e também reverencia a decorrente herança multicultural dos povos escravizados nas Américas e na Europa.

Não percam!

10.06.2020


Literatura negra – Tudo o que você precisa saber (ler):

Quando o assunto é negro, quando o discurso é articulado… Da série Zezé indica, publicações que você não pode deixar de ler.

Aprenda, se inteire, valorize…

Quais destas você já leu?

 

Um defeito de cor – Livro por Ana Maria Gonçalves

Um defeito de cor - Livro por Ana Maria Gonçalves

Autobiografia de Angela Davis

Autobiografia de Angela Davis

 

Chica Xavier – Mãe do Brasil – Teresa Monteiro

Chica Xavier – Mãe do Brasil – Teresa Monteiro

Casa de Alvenaria – Carolina Maria de Jesus

Casa de Alvenaria Carolina Maria de Jesus

Pedaços da Fome – Carolina Maria de Jesus

Pedaços da Fome

Olhos d’água – Conceição Evaristo

Olhos d'água Conceição Evaristo

O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado – Abdias do Nascimento

O Genocídio do negro brasileiro Processo de um Racismo Mascarado Abdias do Nascimento

A Arte negra na cultura Brasileira – Iracy Carise

A Arte negra na cultura Brasileira – Iracy Carise

Na Minha Pele – Lázaro Ramos

Na Minha Pele – Lázaro Ramos

Escravidão – Larentino Gomes

Escravidão – Larentino Gomes

Negras Raízes – Alex Haley

Negras Raízes - Alex Haley

Quem tem Medo do Feminismo Negro – Djamila Ribeiro

Quem tem Medo do Feminismo Negro - Djamila Ribeiro

Pichon – Carlos Moore

Pichon - Carlos Moore


Zezé Motta participa da Flup – Festa Literária das Periferias

Zezé Motta na FLUP

Nesta terã-feira (26.05) “As caras de Carolina” traz atrizes que interpretaram Carolina Maria de Jesus para falar da construção dessa personagem a um só tempo tão distante e tão próxima de suas próprias trajetórias.  O painel on-line às 19h, com Zezé Motta, Cyda Moreno e Andreia Ribeiro, mediação de Sol Miranda.

26.05.2020


Serengeti estreia no Animal Planet – série narrada por Zezé Motta

Serengeti estreia no Animal Planet – série narrada por Zezé Motta

Localizado no coração da África, o Serengeti é uma região de abundância, onde vida e morte se encontram: rotas da maior migração do planeta, as planícies são palco de batalhas pela sobrevivência com contornos épicos.

A partir desta quinta-feira, 2 de abril, às 21h25, o Animal Planet acompanha em detalhes as dinâmicas e interações que configuram essa terra de fenômenos com a série  SERENGETI, superprodução da XIX Entertainment e John Downer Productions, distribuída pela BBC Studios, que recebeu a narração em português da atriz Zezé Motta.

São seis episódios de uma hora que percorrem as dezenas de milhares de quilômetros quadrados que fazem parte do Parque Nacional do Serengeti para mostrar a rica biodiversidade do local. São centenas de espécies, entre elas os icônicos animais da savana, que protagonizam verdadeiros espetáculos repletos ação, drama e triunfo, como parte do ciclo natural da vida.

As imagens formam contos sobre a sobrevivência na savana. De javalis a leões, de símios a guepardos, a série apresenta o comportamento desses animais africanos em seu habitat, sob uma perspetiva inovadora: eles aparecem unidos por um enredo que lança mão de recursos da ficção – suspense e drama.

Mães que conduzem seus filhotes pela perigosa jornada migratória, embates entre rivais que disputam a liderança de seus grupos, jovens que reivindicam seu lugar entre os pares, além de cenas emocionantes e trágicas como a fuga de incêndios, o desespero da presa e a sina do predador.

As filmagens acompanharam os animais durante um ano e utilizaram recursos de última geração na captação de imagens da vida selvagem. Com a ajuda da alta tecnologia, incluindo filmagens com drones, foram feitos registros inéditos em uma região totalmente preservada do Serengeti.

O primeiro episódio começa logo após a estação das chuvas – a abundância toma conta das planícies e os campos verdejam. Mas a vida no SERENGETI nunca é fácil. Entre os leões, uma das fêmeas é banida após acasalar com um macho de outro bando. Ela precisa caçar sozinha e prover alimento para seus filhotes. Agora, ela ensaia abandonar a vida de renegada, retornando para casa e tentando ser aceita novamente na companhia de seus quatro filhotes – os leõezinhos correm o sério risco de serem mortos, caso o macho alfa perceba que eles são filhos de outro.

No grupo dos babuínos, um macho agressivo assumiu a liderança e precisa garantir o apoio das fêmeas em detrimento dos demais. A rivalidade é grande e os confrontos violentos são inevitáveis.  Mas as ameaças também vêm de fora: um leopardo está à espreita – expulsar o invasor pode significar o começo de uma nova dinastia entre os babuínos.

O clã das hienas, liderado por fêmeas, também tem mães em busca de alimento e elas terão um encontro dramático com a leoa solitária. Enquanto isso, os elefantes, os sábios do Serengeti, comemoram a chegada de um novo membro à manada – o elefantinho recém-nascido é um dádiva que exige dos adultos atenção total na defesa contra predadores.

SERVIÇO

SERENGETI

Estreia: quinta-feira, 2 de abril, às 21h25

Descrição dos episódios:

Primeiro episódio: É momento de abundância no Serengeti, porém uma série de eventos dramáticos e inesperados fazem com que as famílias de animais se enfrentem entre si e levam as relações a um ponto de ruptura. Kali, uma valente leoa e mãe de quatro filhotes, se separa de seu grupo. O babuíno Bakari, começa a rivalizar com um novo líder de sua tropa. Zalika, uma jovem hiena, perde sua mãe em um ataque de leões. As emoções são fortes quando cada um dos personagens luta para enfrentar suas trágicas realidades.

Segundo episódio: A medida que o Serengeti começa a secar, a competição entre as famílias se intensifica. Kali e sua irmã são perseguidas por um macho do grupo. Kike, uma guepardo mãe solteira de três filhotes, deve aprender as habilidades maternais. Bakari, o babuíno, luta para criar o bebê que resgatou após o falecimento de sua mãe. Nalla, a matriarca elefante, tem que controlar enormes elefantes machos que brigam por uma fêmea. Só os fortes sobrevivem no Serengeti.

Terceiro episódio: A fome aumenta quando as temperaturas começam a subir e a comida se torna ainda mais escassa. As famílias, cada vez mais desesperadas, esperam que chegue a “Grande Migração”. A leoa Kali confia seus filhotes a uma babá com resultados quase desastrosos. Uma viagem através do rio para pegar os ovos de crocodilo quase terminam em tragédia para Bakari e o bebê adotado. Uma nova família de cachorros selvagens vai aproveitar o banquete vizinho, porém, como sempre, quando a migração está acontecendo, há ganhadores e perdedores em ambos os lados.

Quarto episódio: A “Grande Migração” está a plenos vapores e impacta a vida de todas as famílias. Kali, a leoa, se vê obrigada a voltar para o grupo quando um de seus filhotes corre risco. Shani, a mãe zebra, decide cruzar o rio mas é atacada por um crocodilo e seu filhote e arrastado pela corrente do rio. Bakari, o babuíno, finalmente se vê obrigado a enfrentar o líder da tropa, mas a ferocidade do confronto faz com o que o primata tenha que tomar uma decisão que mudará sua vida para sempre.

Quinto episódio: É a estação seca, a mais difícil para alguns e a bonança de alimentação para outros. A crescente seca transforma o poço de água em uma armadilha mortal para alguns dos grupos cheios de sede. Para Kali e seu grupo, a vida é boa, mas logo uma grande tempestade acende um fogo devastador. Bakari volta para salvar seu bebê adotivo que é pego pelas chamas. Leões atacam o grupo de Kali e ela e seus filhotes se veem obrigados a mais uma vez fugir para salvarem suas vidas.

Sexto episódio: Depois do fogo, a chuva traz esperança e a terra renasce. O ciclo da vida é celebrado no último episódio. Kali está viva mas falta um filhote. A guepardo Kike retorna e deve treinar seus filhotes a sobreviverem sozinhos. Algumas famílias ganham, porém outras devem perder. No rio inundado, o filhote de Nalla luta nas correntes. Bakari volta quando uma grande briga com uma tripa de babuínos rivais ameaça sua família. Enquanto isso, a morte de um elefante traz uma trégua

01.04.2020