Retratos da minha vida

Zezé Motta posa para Quem Acontece

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto:  Selmy Yassuda

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto: Selmy Yassuda

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto:  Selmy Yassuda

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto: Selmy Yassuda

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto:  Selmy Yassuda

Zezé Motta para Quem Acontece | Foto: Selmy Yassuda

Dona de uma gargalhada generosa, Zezé Motta recebeu QUEM em sua casa, para uma conversa na qual passa a limpo parte de seus 70 anos. A entrevista completa você confere aqui: http://revistaquem.globo.com/Entrevista/noticia/2015/01/zeze-motta-nao-tenho-mais-medo-da-velhice.html

09.01.2015


Zezé Motta e Morgan Freeman

Zezé Motta e Milton Gonçalves conduziram a cerimônia de abertura do Festival de Cinema Afro-Brasileiro, no Cine Odeon, em 2002.

Zezé Motta e Morgan Freeman | Crédito: Dominique Valansi

Zezé Motta e Morgan Freeman | Crédito: Dominique Valansi

Milton Gonçalves e Morgan Freeman | Crédito: Dominique Valansi

Milton Gonçalves e Morgan Freeman | Crédito: Dominique Valansi

06.01.2015


Zezé Motta esteve no Encontro com Fátima Bernardes.

Durante a edição da última sexta-feira (29) do “Encontro com Fátima Bernardes”, Zezé Motta, 70, relembrou do preconceito que sofreu durante a exibição da novela “Corpo a Corpo” (1984), onde formou par romântico com Marcos Paulo.

Na época, diversas ofensas racistas foram publicadas na imprensa. “Fizeram uma enquete e saiu em um jornal. Teve um homem que disse: ‘Será que o Marcos Paulo está precisando tanto de dinheiro para passar por essa humilhação para beijar essa negra feia?'”, disse a atriz. “Um outro escreveu: ‘Se eu tivesse que beijar essa negra horrorosa, eu chegaria em casa e lavaria a minha boca com água sanitária'”, completou ela.

Zezé também lembrou que essas opiniões deixaram todos “muito chocados”. Em seguida, ela contou que faz parte do Movimento Negro há quase 40 anos e que “a luta continua, porque ainda temos esse tipo de atitude racista”, finalizou. Atualmente, a atriz vive a Sebastiana em “Boogie Oogie”.

Zezé Motta no Encontro com Fátima Bernardes

Zezé Motta no Encontro com Fátima Bernardes

 

Zezé Motta relembra preconceito por causa de personagem

02.09.2014


Zezé Motta em “Tudo Bem” (1978) de Arnaldo Jabor

Zezé Motta em "Tudo Bem" (1978)

Zezé Motta em “Tudo Bem” (1978)

Fiz “Tudo Bem” com o Arnaldo Jabor, um filme maravilhoso, todo rodado dentro de um apartamento, o que contribuiu muito para uma convivência íntima entre a equipe.

Sonhara tanto em trabalhar com ele e com a Fernanda Montenegro e, de repente, estava lá, no meio dos dois.

Quando o Jabor me deu o roteiro para ler, disse: Olha só, vai ter muito mais do que está escrito, mas isso a gente vai desenvolver juntos. Ele me ajudou porque eu não estava fisicamente bem durante as filmagens. Tinha acabado de ter um de meus abortos. Ele fez com que eu usasse essa barra pessoal na construção da personagem..

21.04.2014


Zezé Motta e Luis Miranda em “A Grande Família”

Zezé Motta e Luis Miranda em A Grande Família 2014

Zezé Motta e Luis Miranda em A Grande Família 2014

18.04.2014


O SORRISO DE ZEZÉ…

  • O SORRISO DE ZEZÉ.

    Acordei e vi no jornal os setenta anos de Zezé Motta. Quer dizer, vi uma foto de uma escultura feita para homenageá-la. O que, além de seu talento impecável, (não sei se este é o melhor adjetivo, mas vamos lá) me fascina em Zezé: voz, a sua forma de cantar, seu jeito carinhoso com todos, o “fechar” os olhinhos quando sorri. Ah! sim, seu sorriso! Descobri que desde sempre, há muito, sou apaixonado pelo seu lindo sorriso. Parabéns, Zezé!
    E o seu sorriso me levou a buscar o que, volto a dizer, além do talento, me seduz em certas pessoas, certas “paixões” minhas. Claro que para me apaixonar por um detalhe, apaixono-me pelo conjunto antes:
    Sou apaixonado pela voz da Maria Pompeu, pelo charme de Fernanda Montenegro, pela altivez de Bethânia, pela garra de Elza Soares, seu molejo e voz.
    Não me esqueço de Tônia Carrero, nunca.
    Sérgio Brito, Fernando Torres, Paulo Gracindo.
    Gosto de ouvir Lima Duarte contando “causos”.
    Escrevo e releio: nossa, como estou meio “démodé”.
    Não mandei nenhum beijinho no ombro…
    Pouco importa.
    Apaixonei-me por Bibi no Alô Dolly. Amor eterno.
    Marília Pêra me deixa de boca aberta com seus personagens: qualquer um.
    Estou fazendo força para falar dos mais jovens. Se não der, ficará para um outro dia. Sou passsadistaa. Descobri.
    Lembrei-me neste exato momento de Tango, peça que vi com Teresa Rachel, tão estrela, tão sumida.
    Etty Frazer que me encantava semppre com suas aparições. Eu achava que quando ela entrava em cena teríamos uma receita de um prato qualquer de comida italiana ou veríamos a grande atriz fazer comercial de Pomarola.
    Lauro Corona! Como era bonitinho e talentoso.
    Bonita e talentosa era também Maria Cláudia, (vi há pouco tempo num teatro, na plateia).
    Gostaria muito de poder amar algum político como amo meus artistas. Mas eles não deixam. Não se fazem amados nunca.
    Detestam ser admirados.
    E vão passando por minha memória belos olhos, belos sorrisos, belos trabalhos. Belos feitos.
    Tenho orgulho de poder ter visto”ao vivo”( desculpem o pleonasmo):
    Elis Regina em Transversal do Tempo, Bibi (8 vezes) em Gota d”Água( 8 vezes já dava um balde d’agua!), Sérgo Brito fazendo Yung, Os doces bárbaros, eta Brasil….
    Tanta coisa boa que não cabe aqui não.
    Aqui, se o texto passar de 15 linhas, o “ibope” abaixa.
    Me disseram assim: se for para ler texto grande, vou para o livro.
    Então tá: parabéns Zezé Motta – você merece tudo e mais um pouquinho.
    Um beijo do fã que você nem conhece, mas que já sentiu muitas alegrias te assistindo!

    ERNANI MAZZA em 2/03/2014 em Copacabana – RJ

    O SORRISO DE ZEZÉ

    O SORRISO DE ZEZÉ

30.03.2014