Retratos da minha vida

Zezé Motta participa grava o programa Estrelas em Búzios

Zezé Motta para o Estrelas, em Búzios

Zezé Motta para o Estrelas, em Búzios

Zezé Motta esteve em Búzios, no RJ, para a gravação do Programa Estrelas, com Angélica. O programa trará um especial sobre a cidade e uma série de entrevistas com artistas da região, entre eles o coral local Sons do Quilombo, que na ocasião, fez uma homenagem a neta de quilombolas, D. Eva Maria Oliveira, de 104 anos. O programa leva nossa Zezé Motta, que vive o personagem “Mãe Quilombo”, na novela “O Outro Lado do Paraíso”, para conhecer uma tribo quilombola que vive no local, entre elas Dona Eva, moradora do bairro da Rasa, antigo remanescente de escravos na Região, ela tem 12 filhos e contará a história de seus ancestrais no programa global. Angelica mostrou para Zezé, a cultura local com indumentárias, danças e cantos. Zezé ainda recebeu uma homenagem do Coral Encanta Búzios e ficou muito emocionada. O programa vai ao ar em breve. Na foto: Zezé soltou a voz, com o Coral Encanta Búzios, onde fez uma saudação para Zumbi dos Palmares.

26.03.2018


Zezé Motta revive a cantora americana Billie Holiday por Jairo Goldflus

A diva Zezé Motta revive a cantora americana Billie Holiday Foto: Jairo Goldflus

22.03.2018


Zezé Motta na coluna Ancelmo Gois – O Globo – com a capa do disco O Samba Mandou me Chamar.

O Samba Mandou me Chamar - Zezé Motta - O Globo

O jornalista Ancelmo Gois do jornal O Globo traz hoje em sua coluna a capa oficial do novo disco da nossa pérola negra, O Samba Mandou Me Chamar, álbum dedicado ao samba que sai pela Coqueiro Verde Records chegando às lojas e em todas as plataformas digitais em abril, já o show de lançamento da turnê acontece no dia 30.04 no palco do Theatro Net Rio, em Copacabana.


Zezé Motta na capa da Interview em 1978

Zezé Motta na capa da Interview em 1978

21.03.2018


Zezé e Marieta: Amizade de anos

Zezé Motta e Marieta Severo

Vale a pena lutar e correr atrás dos nossos sonhos. Nasci em Usina Barcelos, interior de Campos, em 27 de junho de 1944. Vim para o Rio pequena, com menos de três anos. Meus pais quiseram tentar a sorte na cidade grande. Ele era músico e ela costurava. Uma coisa assim meio o feijão e o sonho. Não que ele não tivesse os pés no chão. Era um músico erudito que tinha um grupo regional para sobreviver. Era para eu ter ficado com meus pais e meu irmão por parte de mãe no morro do Cantagalo, na Zona Sul do Rio. Acontece que, no dia em que eles fecharam negócio com o barraco, souberam que uma menor de 9 anos havia sido violentada na vizinhança. Ficaram em pânico e acharam mais seguro eu ficar com um tio, porteiro, que morava no Leblon. Quem morava no prédio era a Marieta e nós brincávamos juntas. Fomos crescendo, cada uma em sua tribo, e perdemos o contato. Normal né? Anos depois, quando eu estreei profissionalmente nos palcos, com a peça Roda Vida, do Chico, ela estava no elenco e a mãe dela ao me ver, da platéia, disse: Aquela não é a Maria José? Nos reencontramos, nos abraçamos e foi lindo. Uma linda semana para vocês, repleta de axé, força e determinação.

12.03.2018


Homenagem: Zezé Motta por Dila Lemos

Zezé Motta pelo artista Dilermando Lemos

Zezé Motta pelo artista Dilermando Lemos

11.03.2018