Ipadé das Pretas vai reunir Zezé Motta, parlamentares e ativistas

Zezé Motta na casa TPM

O evento, que acontece na próxima sexta (31), será transmitido pela TV Cam (canal 61.4) e pelo Facebook e conta também com a participação da panafricanista do Cabo Verde, Samira Fernandes. A Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) realizará, na próxima sexta (31), às 17 horas, o encontro de mulheres negras “Ipadê das Pretas”, que terá a participação, dentre outras personalidades e ativistas, de Zezé Motta e da panafricanista do Cabo Verde, Samira Fernandes. O Ipadé das Pretas será transmitido pela TV Cam, canal 61.4, da  e pela página www.facebook.com/tveradiocam.

O evento, realizado pelo setorial mulheres da Conen em parceria com a Comissão de Direitos Humanos e Democracia da Câmara de Salvador, acontecerá virtualmente e faz parte do ciclo de atividades do Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, reverenciado dia 25 de julho, data em que se destaca as bandeiras de luta da mulher negra e diante dos diversos vieses de racismo e machismo as quais estão submetidas na sociedade.

De acordo com o Coletivo de Mulheres da Conen, o encontro acontece todo ano no mês de julho, como reconhecimento do dia da Mulher Negra Afro-Latino-Americana e Caribenha, data que marca o protagonismo das mulheres negras na formação social, cultural e política do Brasil e dos países da diáspora negra nas Américas.

Na atividade, que terá a coordenação da vereadora de Salvador e presidenta da Comissão de Direitos Humanos da Casa, Marta Rodrigues (PT), serão lembradas diversas mulheres negras revolucionarias históricas da luta antirracista no Brasil e no mundo, a exemplo de Wangari Muta Maathai, Maria Felipa e Lélia González, Tereza de Benguela.

“O termo ípadé em Yoruba significa encontro e . È mais uma oportunidade de afirmar a necessidade de reverter a situação de desigualdade que atinge as mulheres negras, tendo em vista os indicadores de pobreza, violência e acesso à justiça”, explica Diulice Vitório, membro do Coletivo.

A data do Dia Internacional da Mulher Afro-latino-americana e Afro-caribenha surgiu em 1992, durante o I Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, realizado em Santo Domingo, República Dominicana. “Este debate precisa ser constante, ainda mais agora com o racismo e o machismo mais evidentes durante a pandemia. Precisamos focar para o pós, nos unir e realizar diversos encontros como este”, declarou a vereadora.

Nesta mesma data, acrescenta a edil, foi aprovado no parlamento brasileiro como Dia da Mulher Negra Brasileira e Dia Nacional de Tereza de Benguela ( LEI Nº 12.987 / 2014 ). Teresa de Benguela foi uma quilombola que liderou durante o século XVIII o quilombo Quariterê, localizado no Mato Grosso e agregou negros, brancos e indígenas para defender esse espaço por muitos anos. Ela é tida como uma rainha e heroína em virtude de sua bravura na luta pela causa negra.

Também estarão participando do encontro a historiadora Nazaré Cruz, da Coordenação Executiva Nacional da CONEN; a socióloga Vilma Reis, da Mahin (Organização de Mulheres Negras); a economista e técnica do Dieese/BA, Ana Georgina Dias; a atriz e poetisa Stael Kianda Machado; a atriz, , trancista especialista em estética negra Negra JHO; a contramestra de capoeira e professora Kaliana Barbosa; a cantora e compositora DESA; e o músico e escritor do Livro Mulheres Abayaomi, Adilson Passos.

ZEZE MOTTA. IPADE DAS PRETAS