MINUNEGRA 2014 faz homenagem a Zezé Motta

Zezé Motta

Ela nasceu Maria José Motta de Oliveira, mas ao se apresentar faz questão de dizer ou melhor, de cantar: “Muito prazer eu sou Zezé! Uma mistura de raça e cor, uma vida dura mas cheia de sabor.” Pelos os versos da música de Roberto de Carvalho e Rita Lee, Zezé Motta se apresenta e encanta o grande público. É considerada a diva das divas por sua memorável atuação no filme “Xica da Silva”, dirigido por Cacá Diegues.  Por sua premiadíssima interpretação, tornou-se uma das atrizes brasileiras mais conhecidas internacionalmente. São 50 anos de carreira e 70 de existência, de arte e de luta contra o racismo. Uma mulher de atitude, de vanguarda e de posicionamento firme diante dos desafios sociais. É criadora e presidente de honra do Centro de Informação e Documentação do artista Negro (CIDAN) e em 2005, teve seu nome incluso na lista das 1000 mulheres indicadas coletivamente ao Nobel da Paz.

Por sua envergadura artística e política, Zezé Motta é o tema da 4ª edição da Mostra Internacional de Arte da Mulher Negra. A Mimunegra acontece no dia 27 de dezembro, de 15h às 22h, no Teatro Dulcina (Rua Alcindo Guanabara, nº 17) no Centro do Rio de Janeiro, com entrada FRANCA! A programação inclui Exposição Fotográfica de Zezé Motta assinada por profissionais nacionais e internacionais; Prêmio Divas, concedido à Renata Felinto (Artes Visuais -SP); Dona Ivone Lara (Música), Aduni Benton (Teatro), Lia Vieira (Literatura), Eliete Miranda (Dança) e Vovó Maria (Personalidade); e o encerramento fica por conta do Show Zezé Motta canta Dona Ivone Lara, comparticipação especial da inglesa Folakemi.

Durante toda a programação, o público poderá fazer homenagens à Zezé Motta. Um pequeno tablado no foyer do teatro servirá de palco para manifestações como: esquetes, poesias, dança, música ou simplesmente para deixar depoimentos sobre a carreira artística da diva da Mimunegra 2014. A realização do evento tem o apoio da Fundação Cultural Palmares.

Histórico

A cada edição, a Mimunegra apresenta uma proposta de reflexão sobre o mundo artístico e a maneira como ele se relaciona com os seus diferentes atores, em especial com a mulher negra. A proposta das idealizadoras, as atrizes e produtoras Iléa Ferraz e Jana Guinond, é celebrar a participação da mulher negra nas artes e com isso, incentivar o fomento de políticas públicas, que valorizem a trajetória das artistas e produtoras negras.  A ideia é proporcionar visibilidade e impulsionar o mercado artístico brasileiro para gerar mais trabalho na produção, direção, roteiro e interpretação para um perfil pouco  contemplando e reconhecido na grande mídia.

MIMUNEGRA 2011 – Carranca. A representação das máscaras africanas juntamente com o símbolo da linguagem cênica, representando a comédia e o drama.

MIMUNEGRA 2012 – Sankofa. Na língua Akan do povo Akan, que em português significa “volte e pegue” (san – voltar, retornar; ko – ir; fa – olhar, buscar e pegar). É frequentemente associado ao provérbio: “Se wo were fi na wosankofa a yenkyi,” que pode ser entendido como: “Não é errado voltar atrás pelo o que esqueceste”.

MIMUNEGRA 2013 – Diva. Uma divindade feminina, uma deusa. No sentido figurado é uma mulher muito bonita. É um substantivo feminino derivado do latim divus (deusa).

MIMUNEGRA 2014 – Zezé Motta – 70 anos de arte e atitude. É uma homenagem aos feitos artísticos que enalteceram e orgulham as mulheres negras.