Zezé Motta é a próxima convidada da série “Na batida do samba”

Zezé Motta - Foto: Rodrigo de OliveiraZezé Motta – Foto: Rodrigo de Oliveira

O  Teatro Sesi Centro recebe no próximo dia 17 de maio, terça-feira, às 12h 30,  Zezé Motta. A cantora e atriz vai interpretar alguns de seus maiores sucessos, como “Senhora Liberdade” (Wilson Moreira e Nei Lopes). Ingressos R$ 10,00.

Projeto lançado em 2016, em homenagem ao centenário do mais genuíno gênero musical brasileiro, “Na Batida do Samba” é fruto da parceria do SESI Cultural com o jornalista, escritor e ator Haroldo Costa e os produtores culturais Ciro Pereira e Lene DeVictor.

“Na Batida do Samba” consiste na exibição de vários capítulos da rica história do samba, em suas diversas modalidades, estilos e andamentos: Samba do Estácio, Samba da Lapa, Samba Exaltação, Sambalanço, Samba-Canção, Bossa-Nova, Partido Alto e Samba-Enredo.

Data: 17 de maio, terça-feira, às 12h 30
Local: Teatro SESI – Av. Graça Aranha, 1 – Centro  – Telefone: 2563-4163

Lotação: 338 lugares | Metrô: Estação Cinelândia (saída Santa Luzia)
Ingresso: R$ 10,00 | Classificação etária: livreIdealização, Direção Artística e Apresentação: Haroldo Costa
Coordenação Geral e Produção: Lene DeVictor
Coordenação Musical: Ciro Pereira | Realização: SESI Cultural

08.05.2016


Zezé Motta é uma das atrações confirmadas na Virada Cultural Paulista 2016

Zezé Motta
Zezé Motta apresentará o show “Zezé Motta I” apenas em Santa Bárbara d’Oeste durante a Virada Cultural Paulista 2016. Ela se apresentará no dia 14 de maio, sábado, às 22h30, no CSU (Centro Social Urbano), com as músicas que marcaram sua trajetória artística, como “Magrelinha” (Luiz Melodia), “Pecado Original” (Caetano Veloso) e “Senhora Liberdade” (Wilson Moreira e Nei Lopes). Também estão no roteiro canções de seu último CD, “Negra Melodia”, dedicado ao cancioneiro Luiz Melodia e Jards Macalé.
O Centro Social Urbano está localizado na Avenida de Cillo, 650, Jardim Belo Horizonte.
Com entrada gratuita, a Virada em Santa Bárbara d’Oeste acontece no próximo final de semana durante 24 horas ininterruptas.
Serão 47 atrações em cinco diferentes pontos da cidade, no CSU, Teatro Municipal Manoel Lyra, Biblioteca Pública Municipal “Maria Aparecida de Almeida Nogueira” (Centro), Museu da Imigração e Estação Cultural.
A Virada Cultural Paulista 2016 será realizada pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo em parceria com a Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste, com o SESC-SP, e com apoio do MIS (Museu da Imagem e do Som de São Paulo), Pensarte, Museu do Café e Cavalera.

08.05.2016


Zezé Motta é a atração da Conferência de Abertura da Bienal Rubem Braga em Cachoeiro

Zezé Motta

Mais uma atração foi confirmada para a 6ª edição da Bienal Rubem Braga, que acontece entre os dias 31 de maio a 5 de junho, em Cachoeiro de Itapemirim. A atriz e cantora Zezé Motta falará no primeiro dia do evento, às 20h, durante a Conferência de Abertura, ao lado do capixaba Wilson Coêlho. O tema é Literatura e Interpretação.

Comumente lembrada pelo papel principal no filme ‘Xica da Silva’, de 1976, e pela luta contra a ditadura, Zezé Motta começou a atuar em 67 e estreou como cantora em 1971. Ela é nascida em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense.

Na música, já gravou nove discos, entre o primeiro, ‘Gerson Conrad e Zezé Motta’ e o mais recente, ‘Negra melodia’, no qual faz homenagem aos compositores Luiz Melodia e Jards Macalé.

Pela primeira vez, a Bienal Rubem Braga terá dois escritores internacionais: o português Gonçalo M. Tavares, vencedor do Prêmio José Saramago (2005), e o angolano José Eduardo Agualusa, finalista do prêmio Man Booker 2016. Também já foram anunciados os autores brasileiros Paulo Lins, Andrea del Fuego e João Paulo Cuenca e o cineasta Ian SBF, do grupo Porta dos Fundos.

Todas as atrações desta sexta edição serão gratuitas. O evento será realizado na Praça de Fátima, no centro da cidade. A programação terá debates, palestras, feira de livros, oficinas culturais, atividades para estudantes e apresentações musicais.

08.05.2016


Acadêmicos do Sossego – Sinopse Carnaval 2017

Zezé Motta - Deusa de ÉbanoZezé Motta – Deusa de Ébano

Zezé Motta – A Deusa de Ébano

Ora yê yê Oxum, ora yê yê minha mãe! Ecoam tambores para lhe reverenciar!

Nascida na terra da cana caiana, foi minha frágil força que me impulsionou a mostrar mais que minhas sete faces no ilusório cenário artístico. Assim, aos palcos de Dionísio subi para deixar de ser eu e ser muitas outras.

O que tive de enfrentar para traçar meu caminho pouco me importa. Para alcançar um destino romântico sofri muito castigo. Pelo meu negrito jeito de ser, ai de mim, incomodei bastante a civilizada sociedade que dança com hipocrisia.

Reconhecida pelo meu talento, minha luz é quem prateia as minhas conquistas ao longo de uma vitoriosa carreira de atriz e cantora. Hoje, em estado de graça, alcanço o auge de minha vida como cantriz. O samba mandou me chamar para me elevar à categoria de Deusa de Ébano, nessa emocionante homenagem carnavalesca.

Comecei no teatro, estreando profissionalmente como atriz na polêmica obra de Chico Buarque, Roda Viva, peça censurada pela ditadura. Fiz rir e chorar. Participei de outro importante espetáculo, 7 – O musical, fazendo com paixão o que mais gosto nessa vida: atuar e cantar.
Foi a sétima arte que me deu a esperada fama. Magrelinha com o dengo que a nega tem e uma sensualidade à flor da pele, numa mistura de raça e cor. Dei vida a personagens marcantes nos filmes Quilombo, Águia na Cabeça, Orfeu e, sobretudo, Xica da Silva, que me imortalizou e me lançou ao estrelato internacional.

Paralelamente à vida de atriz, aos poucos brotou a cantora. Nas boates Telecoteco e Balacobaco, nas quais primeiro tive o direito à vida de cantar as dores de amores, de soltar minha voz, na doce esperança de mostrar este meu outro dom, o meu canto de resistência que tanto fascina, para ter você comigo, bem mais perto de mim. Meu sorriso largo transborda minha alma feiticeira na alegria de viver.

Atuar e cantar. Sempre soube que era essa a chave dos segredos que realiza esta mulher guerreira e mística na ribalta, que veio ao mundo numa trovoada para ser atrevida e, com atitude, conquistar tudo o que quer, com decisão e muita sabedoria.

O sangue não nega o furor que se avassala dentro de mim e me torna, mesmo sem eu querer, uma divina criatura. Aos olhos dos meus fãs, uma diva. Por isso, onde o sol bate e se firma, abrem-se as cortinas para que eu possa me doar por inteira, realizada, na divina saudade de uma negra melodia.

A senhora liberdade abriu as asas sobre mim, me dando força para lutar contra o preconceito. Meu pecado original e uma intensa consciência racial só reforçam minha militância nas causas do negro, pelas quais lutarei até o fim com autonomia.

No horário nobre da televisão me joguei no corpo a corpo, rompendo os grilhões do racismo por um amor proibido entre uma mulher negra e um homem branco. E da intolerância fui a próxima vítima, vivendo uma rica empresária numa sociedade que não aceita a ascendência em igualdade da negritude brasileira.

Agora, brilhando nesse sagrado palco da folia, crioula com muito orgulho e dignidade, trocando em miúdos, venho aqui me apresentar no meu melhor papel:

– Muito prazer, eu sou Zezé!

Pesquisa e texto: Julio Cesar Farias
Carnavalesco: Marcio Puluker

Observação: as palavras e expressões destacadas referem-se às músicas e elementos da vida artística de Zezé Motta.

08.05.2016


50 anos de cantriz…

zeze motta

Eu dizia que se eu não conseguisse ser atriz e cantora, que eu seria psicóloga, ou… Astróloga…, mas, felizmente a “cantriz” deu certo, graças a Deus, me sinto em estado de graça quando estou cantando ou interpretando. Eu acho que todo mundo se sente assim quando faz o que gosta pra valer, né? Não me imagino fazendo outra coisa na vida… 50 anos de carreira como cantriz!

27.04.2016


Zezé Motta será homenageada como enredo da Acadêmicos do Sossego, no carnaval 2017. Confira na coluna Ancelmo Gois, Jornal O Globo:

Coluna Ancelmo Gois - O Globo | Zezé Motta -  A Deusa de Ébano - Enredo Acadêmicos do Sossego - Carnaval 2017

Aos 71 anos, sendo 50 dedicados às artes, Zezé Motta será homenageada com o enredo “Zezé Motta – A Deusa de Ébano”, pela Acadêmicos do Sossego, primeira escola a desfilar na sexta-feira de folia, abrindo os desfiles da Série “A”, no Rio, na Marquês de Sapucaí. Com o enredo, a escola de Niterói pretende se referir às mulheres negras que chamam a atenção por sua beleza e exuberância, como Zezé, ícone negro da cultura brasileira, e claro, eterna Xica da Silva, Dandara, entre tantos outros papeis na TV e no cinema que a imortalizaram.

Confira o texto de apresentação do enredo:

 Acadêmicos do Sossego – 2017:  Zezé Motta- A Deusa de Ébano

Tocada por Dionísio, o deus grego das festas, do teatro e dos ritos religiosos, a menina de Campos, lançou-se nos palcos da vida. Fez as malas, acreditou no sonho e seguiu para o Rio de Janeiro. Nascia a Zezé Motta, a Zezé das artes, a Zezé cidadã do mundo. Em 1967, Zezé Motta começou a carreira no teatro, quando estreou a peça Roda-viva, de Chico Buarque e não parou mais. Em 1969, atuou em “Fígaro, Fígaro”, “Arena canta Zumbi” e “A vida escrachada de Joana Martini e Baby Stompanato“Orfeu negro” e “Godspell”

Para muito além dos palcos, Zezé foi brilhar na tela grande da sétima arte. Participou dos filmes: “Vai trabalhar, vagabundo”, “Ouro Sangrento”, “Anjos da Noite”, “Tieta do Agreste” e “Orfeu”, mas foi Xica da Silva”, em 1976 que a consagrou internacionalmente.

Na tela da televisão chegou ao auge de seu talento, carisma e popularidade. É a uma das atrizes negras que mais atuou em telenovelas no Brasil. Cantou, dançou e atuou enaltecendo a sua luta por igualdade independe da cor de sua pele. Da tela para a vida real, “muito prazer, eu sou Zezé, mas pode você pode me chamar como quiser”

A canção “Magrelinha” de Luis Melodia e outras tantas do menestrel Chico Buarque passearam pela voz marcante de Zezé Motta.

“Quando eu penso nela em forma de canção. Imagino em som que revele. Que revele o tom, o tom da cor da sua pele. Crioula”

Cantriz. É a Zezé, mulher, mãe, avó, cantora, dançarina, atriz e que é acima de tudo feliz!  Entre tantas mulheres, Deus quis que Zezé brilhasse. Colocou uma estrela em sua testa e fez dela um ser iluminado que encanta a todos com a força de seu sorriso, com sua alegria, seu talento e seu amor pela arte.

A Acadêmicos do Sossego entra no palco sagrado do carnaval. Vem com as bênçãos dos deuses sagrados do teatro, da música, do cinema, da TV e da negritude para prestar homenagem a esta grande estrela das artes, trazendo os sinceros aplausos no seu manto azul e branco. Com a força do seu canto e da sua comunidade vem dizendo: Bravo, Zezé Motta!

MARCIO PULUKER (carnavalesco)

20.04.2016