Zezé Motta celebra 50 anos de carreira e posa para revista

Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles Zezé Motta | Foto: Daryan Dornelles

Zezé Motta posou para a capa da Ocas”, que traz como matéria de capa os 50 anos de carreira, a atriz e cantora. Zezé está feliz da vida, lança em breve o CD “O Samba Mandou me Chamar”, festeja um musical sobre sua trajetória e uma peça baseada na história da escritora e catadora de lixo Carolina Maria de Jesus.

Na publicação, Zezé fala sobre esses projetos e também sobre política, feminismo e cultura negra. “Acho de suma importância conhecer a história do trabalho escravo no Brasil, que foi o último país a aboli-lo. E, fora isso, é preciso conhecer a contribuição do negro na cultura brasileira, em todos os segmentos, na agricultura, no vestuário, na dança, na música…Só assim será possível acabar com o racismo, uma prática criminosa que acontece, veja só, até hoje em dia.”

Figura respeitada da música, televisão e cinema, Zezé este ano foi homenageada pela Record. A atriz está no ar, em “Escrava Mãe”, novela que substitui “Os Dez Mandamentos”. Todas as primeiras cenas dos capítulos tiveram a participação da atriz, no papel da escrava Tia Joaquina, que vem ganhando destaque a cada episódio, e além disso a intérprete faz a narração de diversas passagens da trama. Vale lembrar que a atriz se revoltou contra a Rede Globo, devido ao papel de “quase figurante” que a emissora lhe deu em “Boogie Oogie” no ano em que ela completa 50 anos de carreira, fato que a motivou a sair da emissora.

Sobre seu novo álbum:

Sobre o novo álbum, que será distribuído pela Coqueiro Verde, afirma: “É um projeto que sonho em realizar há dez anos. Está em fase de mixagem, mas até o início de 2017 devo lançá-lo. Quase todas as canções são originais. Há duas ou três regravações, entre elas ‘Louco’, do Wilson Batista, e ‘Mais um na Multidão’, do Erasmo Carlos. Ah, e tem uma música do Fundo de Quintal.”  O projeto que estava engavetado há mais de 10 anos traz Zezé de volta ao mercado fonográfico. Com este CD, Zezé ganhou músicas inéditas de Arlindo Cruz, Fundo de Quintal, Xande de Pilares entre outros bambas que também entraram no estúdio com a eterna Xica da Silva para gravar algumas faixas em parceria. Está será o oitavo álbum solo da discografia da cantriz, como ela mesma se classifica, uma mistura de atriz e cantora.

Virou estátua de cera:

A atriz  que já recebeu o Troféu Oscarito – destinado a grandes atores do cinema brasileiro -, por sua majestosa atuação como Xica da Silva, de Cacá Diegues, que projetou o cinema brasileiro em mais de 16 países no ano 1976, foi recentemente homenageada e entrou para a memória do Museu do Festival de Cinema de Gramado (RS), através de uma estátua de cera. A estátua foi feita nos mesmos moldes das Estátuas produzidas para o DREAMLAND – primeiro museu de cera da America Latina.

Homenagem no carnaval:

O ano de 2017, será de muito samba na vida da artista, ela também será homenageada com o enredo “Zezé Motta – A Deusa de Ébano”, pela Acadêmicos do Sossego, primeira escola a desfilar na sexta-feira de folia, abrindo os desfiles da Série “A”, na Marquês de Sapucaí. Com o enredo, à escola de Niterói pretende se referir às mulheres negras que chamam a atenção por sua beleza e exuberância, como Zezé, ícone negro da cultura brasileira, e claro, eterna Xica da Silva, Dandara, entre tantos outros papeis que a imortalizou. A Acadêmicos do Sossego entra no palco sagrado do carnaval. Vem com as bênçãos dos deus sagrados do teatro, da música, do cinema, da TV e da negritude para prestar homenagem a esta grande estrela das artes, trazendo os sinceros aplausos no seu manto azul e branco. Com força do seu canto e da sua comunidade vem dizendo: Bravo, Zezé Motta!

Está é a segunda homenagem que Zezé recebe no carnaval, em 1989 a atriz foi enredo da escola de samba Arrastão de Cascadura, que desfilou na Marques de Sapucaí com o tema: “Zezé, um canto de amor e raça”.

Biografia:

No primeiro semestre de 2017, Zezé Motta terá sua vida mais uma vez contada em biografia. Está sendo escrita por Cacau Hygino um livro de memórias sobre os bastidores da vida da artista.