Zezé Motta conduz cerimônia de relançamento do Projeto Pixinguinha

Zezé Motta | Foto: Diego Mendes

A Fundação Nacional de Artes – Funarte e o Ministério da Cultura apresentaram, no dia 26 de abril, quarta-feira, o novo Projeto Pixinguinha. O anúncio foi realizado no Teatro Dulcina – espaço da entidade no Rio de Janeiro –, com apresentação, para convidados, de Moraes Moreira e o grupo A Cor do Som, entre outras atrações a noite rememorou o show histórico que os dois fizeram, em 1978, pelo Projeto, que marca os 40 anos da iniciativa da Funarte.

O evento teve um emocionante tom de tributo aos 120 anos do nascimento de Pixinguinha. Karen Mesquita e Cícero Gomes – do corpo de primeiros bailarinos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, realizaram uma coreografia, ao som de Carinhoso, criada especialmente por Regina Sauer para a mais famosa obra do homenageado – composta entre 1916 e 1917, com letra de Braguinha – . A atriz e cantora Zezé Motta,condutora da cerimônia, apresentou a nova versão do projeto. Ela abriu a programação homenageando todos os artistas, na pessoa de Pixinguinha: “Alfredo da Rocha Vianna Filho… Mestre no maxixe, no samba, na valsa e no choro! Santo Pixinguinha, das magias do sax e da flauta…”, lembrou. “Quarenta anos do Pixinguinha! Que projeto maravilhoso… “Tenho certeza que estamos todos muito emocionados com a volta deste projeto, que revelou tantos talentos… Hoje a Funarte o faz renascer, numa nova fase, a percorrer o Brasil… Com músicos de todas as regiões…”, disse Zezé Motta.

Entre os presentes estavam ainda: Jaluza Barcellos, Mariane de Castro, Antônio Pitanga, Toninho Gerais, Haroldo Costa e Nilze Carvalho, entre outros artistas, professores e pesquisadores de música, numa platéia repleta.

A atriz explicou que a programação de espetáculos do novo formato ocorrerá entre os meses de maio e novembro de 2017. E que serão, no total, 60 espetáculos, distribuídos por 60 cidades das cinco regiões do país, realizados por 15 duplas de artistas. “Elas vão reunir um músico renomado e um mais novo – este associado à região onde os espetáculos vão acontecer – . Cada dupla apresentará quatro espetáculos, em quatro cidades, em uma região determinada. Os artistas serão selecionados por uma comissão de curadoria”, anunciou Zezé Motta – que também cantou músicas como Minha missão, de Mariene de Castro.

Todos os integrantes a comissão de curadoria estavam presentes na plateia. Vindos de vários estados, eles vieram ao Rio para a primeira reunião do grupo, na sede da Funarte, com o diretor do Centro da Música da casa (setor responsável pelo projeto), o gestor cultural, músico e produtor Marcos Souza.

O projeto Pixinguinha foi lançado em 1977, mesmo ano de fundação da Funarte, inspirado na série de shows Seis e Meia (que, desde 1976 lotava o Teatro João Caetano, no Centro do Rio de Janeiro, com espetáculos às 18h30 e ingressos a preços populares). Por meio da iniciativa, diversas cidades brasileiras puderam assistir a grandes artistas da música popular, como os veteranos Cartola, Jackson do Pandeiro e Marlene, os então iniciantes Marina Lima, Djavan e Zizi Possi e ainda Edu Lobo, João Bosco, Nara Leão, Paulinho da Viola, Alceu Valença e muitos outros.