Zezé Motta participa do “Mulher com a Palavra” em Salvador

Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos Zezé Motta, Rita Batista e Gaby Amarantos

A segunda edição em 2018 do projeto ‘Mulher com a Palavra’ lotou a Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA), na noite desta segunda-feira (30), para prestigiar a atriz e cantora Zezé Motta, uma das figuras negras pioneiras na dramaturgia brasileira, e a cantora paraense Gaby Amarantos, ícone do empoderamento feminino. As artistas relembraram momentos importantes em suas carreiras e falaram sobre as dificuldades e preconceitos que precisaram superar ao longo dos anos.

Com 56 anos de carreira e participações em mais de 40 filmes, Zezé Motta é uma referência e inspiração para muitas mulheres brasileiras, dentro e fora do universo das artes. Para a atriz, muitas conquistas foram feitas, mas ainda existe um longo caminho a se percorrer em busca de uma sociedade mais igualitária. “A gente precisa insistir sempre contra toda forma de desigualdade de gênero e os tantos tipos de violência que as mulheres vivem todos os dias. É muito importante que tenhamos espaços como esse para debater e continuar sempre buscando soluções para virar esse jogo”.

Fotos: Edson Ruiz