Zezé Motta prestigia lançamento de Tom Farias sobre Carolina Maria de Jesus

Zezé Motta, Tom Farias e Helio de La Pena

Aconteceu na noite desta terça, 20, na livraria da Travessa em Ipanema, o lançamento da biografia sobre Carolina Maria de Jesus, escrita por Tom Farias. Em 1960, quando lançou seu livro “Quarto de despejo”, Carolina de Jesus se tornou uma celebridade. O livro, que registrava o cotidiano precário em uma favela de São Paulo, onde ela criava três filhos, foi traduzido e publicado em mais de 40 países. Carolina saiu da favela, mas as dificuldades continuaram: a escritora foi apropriada como uma curiosidade exótica pela sociedade que sempre lhe virara as costas, e seu livro se tornou objeto de decoração em estantes de salas de visita.

De tempos em tempos volta-se a falar de Carolina de Jesus, mas até aqui o material biográfico disponível a seu respeito era escasso. Isso muda com o lançamento de “Carolina – Uma biografia” (editora Malê, 402 pgs. R$ 72), do pesquisador e ensaísta Tom Farias. O livro entrelaça uma pesquisa ambiciosa sobre a vida da escritora com uma interpretação crítica de sua obra. O autor investiga a infância da autora em Sacramento, MG, seu trabalho como doméstica, sua vida na favela e sua inserção no mundo intelectual. Na última parte, fica claro o contraste entre a fama meteórica e o ostracismo de seus anos finais. Nesta entrevista, Tom Farias – também autor de ensaios sobre José do Patrocínio e Cruz e Souza – explica a importância da obra de Carolina de Jesus e comenta episódios de sua trajetória. Zezé Motta que já viveu a vida de Carolina no cinema, onde recebeu vários prêmios com o filme, e sonha em produzir uma peça baseada na história da escritora e catadora de lixo, também esteve presente no local. Ruth de Souza, Martinho da Vila, Miriam Leitão e muitos intelectuais passaram pelo local.